História do México – Períodos, Cultura, Conquista e Revolução Mexicana

O México é um país situado na América do Norte, juntamente com os Estados Unidos e o Canadá. Tem quase dois milhões de quilômetros de extensão e conta com uma população de aproximadamente 130 milhões de pessoas.

Essa é uma das grandes nações do continente americano, com uma longa história, cheia de lutas, guerras e revoluções. O México é um país cheio de tradições, muita cultura e lar de grandes civilizações antigas, como a Maia e a Asteca. Confira, a seguir, mais informações a respeito da formação dessa civilização só aqui, no Gestão Educacional!

Período pré-colombiano

O registro arqueológico apresenta indícios de ocupação humana no território que hoje forma o México que remontam há vinte mil anos. Porém, a história conhecida do país começa por volta de quatro mil anos atrás, com a Civilização Olmeca. Esse povo se estabeleceu nas áreas central e sul do país, dando origem a vários assentamentos.

Em seguida, temos o desenvolvimento daquela que ficou conhecida como Civilização de Teotihuacan. Surgida por volta de 100 a.C., esse povo se estabeleceu na área central mexicana, e a cidade de Teotihuacan, propriamente dita, fica a aproximadamente 47 km da atual Cidade do México. Esse lugar é famoso pelos grandes templos e por gigantescas pirâmides, como a Pirâmide do Sol, quase tão grande quanto a Pirâmide de Queóps, no Egito.

A etnia do povo que habitava essa cidade ainda é motivo de debates. Enquanto alguns estudiosos acreditam que os teotihuacanos possam ter sido náuatles, otomis ou totonacas, outras argumentam que a cidade poderia ser um Estado multiétnico. O que de fato se sabe é que Teotihuacan exerceu forte influência em todas as civilizações posteriores antes de entrar em decadência, por volta do século VIII.

Maias

A civilização Maia é reconhecida como uma das mais desenvolvidas do período pré-colombiano. Os maias possuíam uma escrita própria, uma matemática avançada e um famoso calendário.

Surgida por volta de três mil anos atrás, essa civilização espalhou-se pelo sul do México, Honduras, Guatemala, Belize e El Salvador. Mas, entrou em um paulatino declínio entre os séculos VIII e IX, com as principais cidades sendo abandonadas pouco tempo depois. Os motivos dessa decadência ainda não são claros. Algumas explicações apontam para problemas relacionados à superpopulação, invasão estrangeira, colapso de rotas comerciais importantes, doenças epidêmicas e mudanças climáticas. A decadência dos maias permitiu o crescimento dos Toltecas na região do México e, posteriormente, dos Astecas.

Astecas

Os Astecas tiveram seu auge entre os séculos XIV e XVI. Vindos do norte, estabeleceram-se na região central do México, dominando todas as cidades da região. Sua capital, Tenochtitlan, estava situada na zona da moderna da Cidade do México. Originalmente, esses povos eram conhecidos como mexicas – daí o nome do país -, e chegaram a ter uma população de aproximadamente 100.000 pessoas, em 1519.

A conquista espanhola

Em 1519, os espanhóis, liderados por Hernán Cortés, chegaram ao México, sendo, a princípio, bem recebidos pelos Astecas. Durante muito tempo acreditou-se que essa boa acolhida por parte dos Astecas se deu pela crença de que seu deus, Quetzalcoatl, retornaria em um ano chamado de Ce-Catl, que simbolizava o fim de um ciclo de 52 anos. 1519 era justamente um ano Ce-catl e, por esse motivo, os Astecas podem ter confundido os espanhóis com os deuses aguardados. Essa teoria tem sido muito questionada nos últimos anos.

O fato é que, ao perceber que os europeus eram inimigos, os Astecas trataram de defender seu território, conseguindo derrotar os invasores a princípio. Oito meses depois, os espanhóis retornaram, tendo ao seu lado um grande contingente de Tlaxcaltecas, um povo inimigo dos Astecas. As batalhas duraram até 1521, quando finalmente os Astecas foram derrotados.

Além da ajuda dos inimigos dos Astecas, os espanhóis também contaram com outros fatores, como várias doenças por eles trazidas (por exemplo, a varíola), para as quais os nativos não tinham defesa, além de um equipamento superior, que contava com armas de fogo e uso de cavalos.

Independência e guerra contra os EUA

O período de dominação colonial espanhola no México durou até 1821, quando os mexicanos conquistaram a independência após 11 anos de luta. Poucos anos após a independência, o México entraria em vários conflitos territoriais contra os Estados Unidos. Como consequência, o México acabou por perder mais da metade de seu território original para os norte-americanos.

A Revolução Mexicana

Em 1876, o general do exército Porfírio Diaz tomou o poder, dando início a um regime ditatorial que durou 35 anos. Em 1910, após uma eleição presidencial fraudada, vencida pelo general, estoura uma revolução liderada pelo candidato derrotado, Francisco Madero. A essa revolução juntaram-se outros nomes, como Emiliano Zapata e Pancho Villa, que se tornaram figuras importantíssimas no processo que, por fim, levou o ditador Porfírio Diaz a renunciar ao poder e a buscar exílio na França, onde morreria quatro anos depois.

O fim da revolução deu início a uma guerra civil entre os diferentes grupos que, até então, eram aliados. Quase todos os líderes da revolução foram mortos ao longo dessa guerra, que só terminaria em 1921, com a eleição de Álvaro Obregón para presidente do país.

Umberto Oliveira

Bacharel em História pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content