Conjunções coordenativas – O que são? Como usar? Tipos e Exemplos

As conjunções são palavras responsáveis por estabelecer uma relação entre duas orações ou dois termos de uma mesma classe gramatical. Há dois grandes tipos de conjunções na língua portuguesa: as conjunções coordenativas e as subordinativas.

Neste artigo do Gestão Educacional, você verá tudo a respeito das chamadas conjunções coordenativas. Confira!

O que são conjunções?

Antes de vermos propriamente o que são conjunções coordenativas, convém revisar o que são conjunções, de modo geral.

Dá-se o nome “conjunção” a determinadas palavras que possuem a função de relacionar duas orações ou duas outras palavras da mesma classe gramatical. Confira os exemplos:

(1) Trouxe uma maçã e uma banana de lanche.

(2) O estudante chegou e sentou-se em sua carteira.

Nos dois exemplos acima, utilizou-se a conjunção “e”. Temos em (1) um exemplo de uma conjunção relacionando dois termos distintos: “uma maçã” com “uma banana”. Já em (2), a conjunção está relacionando não dois termos, mas duas orações: “o estudante chegou” com “sentou-se em sua carteira”.

Como usar e identificar conjunções coordenativas?

Há dois grandes tipos de conjunções na língua portuguesa: as coordenativas e as subordinativas.

As conjunções coordenativas, como aprofundaremos mais adiante, são as responsáveis por relacionar termos ou orações de mesma função gramatical, como nos exemplos (1) e (2).

Já as conjunções subordinativas, como o nome sugere, são responsáveis por ligar exclusivamente orações, com uma delas determinando ou completando o sentido da outra, estabelecendo uma relação de subordinação. Por exemplo:

(3) Já era tarde quando eu cheguei.

Perceba que, neste exemplo (3), a conjunção em negrito está relacionando duas orações, mas não apenas isso: a segunda oração (“eu cheguei”), chamada oração subordinada, é dependente da primeira, chamada de oração principal.

Exemplos de conjunções coordenativas

Como vimos, as conjunções coordenadas são aquelas que ligam orações ou termos de uma mesma classe gramatical. Elas diferenciam-se das subordinativas porque não estabelecem uma relação de dependência entre as orações que ligam, pelo contrário: o termos e orações ligados permanecem independentes.

Confira os exemplos:

  • O garoto dormiu e teve bons sonhos;
  • Gosto do som do violino, mas acho o som do piano mais bonito;
  • Você parece fraco; logo, deve se alimentar melhor.

Perceba que todas as orações ligadas nos exemplos acima não são dependentes umas das outras. Tomando a primeira como objeto de análise, constatamos que poderíamos dizer apenas: “o garoto dormiu” ou “[o garoto] teve bons sonhos” que, individualmente, as orações permaneceriam fazendo sentido, não ocorrendo de uma exigir a existência da outra para completar o sentido.

Tipos de conjunções coordenativas

Há vários tipos de conjunções coordenativas na língua portuguesa. Abaixo, listaremos todas elas, apresentando alguns exemplos.

Conjunções coordenativas aditivas

As conjunções coordenativas aditivas são aquelas responsáveis por simplesmente ligar dois termos ou duas orações.

São elas: e e nem, tendo “nem” o sentido de “e não”.

Exemplos:

  • Ele despediu-se partiu.
  • O estudante não compareceu à aula, nem justificou a ausência.

Conjunções coordenativas adversativas

As conjunções coordenativas adversativas são responsáveis por indicar contraste entre os termos e as orações que ligam.

São elas: mas, porém, todavia, contudo, no entanto, entretanto.

Exemplos:

  • Gosto de biologia, mas prefiro português.
  • A viagem correu bem; porém, pegamos muito engarrafamento.

Conjunções coordenativas alternativas

As conjunções coordenativas alternativas são responsáveis por ligar termos ou orações de caráter excludente, ou seja: ou é uma coisa ou é outra, não podendo as duas coexistirem.

São elas: ora… ora; quer… quer; já… já; seja… seja; nem… nem etc.

Exemplos:

  • Faça sua escolha: ou eu ou ele!
  • Gabriel ora cochilava, ora prestava atenção na aula.

Conjunções coordenativas conclusivas

As conjunções coordenativas conclusivas são responsáveis por ligar à primeira oração uma outra de caráter conclusivo/explicativo, indicando a conclusão da primeira informação enunciada.

São elas: logo, pois, portanto, consequentemente, por conseguinte, por isso, assim etc.

Exemplos:

  • Você já é bem grandinho; logo, deve parar de fazer birra por tudo.
  • Você agiu mal tomando aquela decisão; deve, pois, revertê-la.

Conjunções coordenativas explicativas

Por fim, as conjunções coordenativas explicativas são responsáveis por introduzir uma oração que justifique a ideia contida na primeira oração. A segunda, portanto, explica a ideia da primeira.

São elas: que, pois, porque, porquanto.

Exemplos:

  • Pare de me ligar, que eu não aguento mais!
  • Não ande de noite sozinha, pois esta cidade está muito perigosa.

Alexandre Garcia Peres

Alexandre Garcia Peres, formado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), gosta de arte, literatura, língua portuguesa, poesia e do seu gato.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content