Dinossauro – Veja os tipos, hábitos e como esses seres foram dizimados

Dinossauro é uma espécie de vida primitiva, que não existe mais nos dias atuais. Acredita-se que os dinossauros apareceram a cerca de 230 milhões de anos atrás e habitaram nosso planeta por, pelo menos, 130 milhões de anos, sendo os seres mais abundantes na Terra. Foram criaturas incríveis e que despertaram o imaginário das pessoas. Existiram milhões de espécies, desde as herbívoras até os carnívoros.

Conheça hoje as principais espécies de dinossauros e as informações principais sobre essa forma de vida. Veja os hábitos, do que se alimentavam e como sumiram na superfície do planeta. Ainda existem muitos estudos para serem feitos sobre eles e descobertas novas sempre surgem!

Sobre os Dinossauros

Antigamente, acreditava-se que os dinossauros eram uma espécie de réptil gigante, porém estudos mostram que eles possuíam penas e estão muito mais próximos das aves. A representação com escamas, apesar de fictícia, ainda é a mais comumente representada nos cinemas e nas ilustrações. Até mesmo os dinossauros não aviários apresentavam penas.

Estudos também mostram que os fósseis encontrados contêm altas quantidades da proteína beta-queratina, substância abundante nas aves. Também encontraram diversos fósseis com penas intactas e bem conservadas. Por isso, acredita-se que hoje o parente mais próximo que temos deles são as galinhas.

Estudos mostram que eles eram ágeis, com um metabolismo elevado e com várias adaptações para a socialização. Alguns grupos, inclusive, são os animais mais inteligentes de todos os tempos, como é o caso dos terópodes, que eram bastante abundantes.

Os hábitos variavam de acordo com a espécie. Eles poderiam ser herbívoros, onívoros ou carnívoros. A maioria deles possuía 4 dedos, dos quais três tocavam o chão e um ficava suspenso. Veja os principais grupos e seus hábitos:

Estegossauros

Estegossauros

Esse grupo de dinossauros apresentava um corpo gigante e uma cabeça pequena, com fileiras duplas de placas ósseas dispostas na coluna e ferrões na calda. Existiram várias espécies dentro desse mesmo grupo. Durante a evolução do períodos cretáceo seu pescoço tornara-se mais alongado e sua cabeça mais estreitas, selecionando melhor os alimentos que consumiam. A falta de alimento os tornou extintos já na primeira parte do período cretáceo.

Anquilossauros

Anquilossauros

Eles possuíam armaduras corporais com espinhos e fortes ossos para a sua defesa. Eles eram mais baixos e largos que seus ancestrais, os nodossauros, que tinham uma estrutura similar. Seu corpo era estruturado para o combate e, em alguns casos, até as os olhos eram protegidos por ossos. Eles foram extintos com a queda de um meteoro.

Ornitópodes

Ornitopodes

Eles tinham o fuço em forma de bico e estrutura da pélvis. Os Ornitópodes começaram a tornarem-se mais numerosos até que dominaram em grande quantidade a área que hoje representa a América do Norte. Eram herbívoros e terrícolas e tinham seu aparelho mastigatório bastante desenvolvido. Foram extintos junto com os dinossauros não-aviários no evento Cretáceo-Paleogeno.

Ceratopsídeos

Ceratopsideos

Certopsídeos vem do latim e significa “com chifres no rosto”. São quadrúpedes e herbívoros. Viveram principalmente na área que hoje representa a Ásia e a América do Norte. Os primeiros de seu grupo eram dinossauros pequenos e bípedes e posteriormente tornaram-se maiores, desenvolveram os chifres faciais e cristais ao redor do pescoço, que poderiam servir para proteção de mordidas, regulagem de temperatura ou exibição. Eles poderiam variar de 75cm de comprimento a até 10 metros de altura.

Paquicefalossauros

Paquicefalossauros

Bípedes e herbívoros, habitaram a região da  Ásia e América do Norte. A característica mais marcante era o topo do crânio com formato de domo, que podia, até mesmo, conter espinhos. A função do formato é desconhecida: até então, acreditava-se que usavam nas lutas para o acasalamento, mas estudos mostram que haveria graves danos cerebrais. Todos eles possuem uma saliência na parte interior do crânio.

Saurópodes

sauropodes

Foram um dos grandes grupos que possuíam bacia de réptil. Possuíam corpo grande, pescoço longo e cabeça pequena. Todos possuíam uma cauda comprida para a defesa e alguns também tinha uma unha na pata dianteira com a mesma finalidade. Sua coluna era reta, as patas compridas e os dedos eram curtos como os dos elefantes. Eram vegetarianos e muitos não possuíam dentes. Para a alimentação, ingeriam pedras, sendo que a trituração dos alimentos acontecia no estômago.

Terópodes

teropodes

Eles viveram do final do período Triássico até o presente. Seus sobreviventes são os pássaros da atualidade. São um grupo grande e diverso, conhecido por sua dieta carnívora e por possuírem duas patas. As espécies variam de pequenos caçadores que não chegavam a 1 metro, até grandes dinossauros de 14 m de altura. Alguns tinham penas e grandes exemplos são o Velociraptor e o Tiranossauro Rex.

Extinção em Massa

Acredita-se que os dinossauros não aviários foram todos extintos há, aproximadamente, 65 milhões de anos em um evento que dizimou 95% da vida terrestre, incluindo os vegetais. A teoria mais provável é a de que um meteoro atingiu a terra e levantou poeira o suficiente para que esta chegasse à atmosfera.

A poeira impediu a entrada de luz solar, assim as plantas acabaram morrendo, o que levou à morte dos dinossauros herbívoros. A falta de dinossauros herbívoros para os dinossauros carnívoros alimentarem-se fez com que a espécie também fosse dizimada. Antes do evento não se sabe se as espécies já estavam em declínio ou não.

Alguns também acreditam que o meteoro causou a queda da temperatura, enquanto outros acreditam que ela tenha aumentado drasticamente. A velocidade da extinção não pode ser afirmada com certeza, mas os estudos fósseis acreditam que ela tenha sido rápida.

Estudos de simulações computadorizadas calculam que a probabilidade de um meteoro ter caído e dizimado os animais é de aproximadamente 90%. Mas estudos também mostram que a dificuldade de adaptação à nova flora que estava surgindo pode ter causado a morte dos dinossauros. A maioria se alimentava de pinheiros e gimnospermas, enquanto as plantas transformaram-se, em sua maioria, em angiospermas.

Marcela Mazetto

Jornalista formada pela PUCPR, tem 21 anos e é viciada em música de todos os tipos, livros e séries. Mestre em curiosidades inúteis, está sempre procurando fugir da rotina.

Conheça Mais Sobre o Autor

Um comentário

Deixe seu Comentário

WebGo Content