Platão – Biografia de vida e seus feitos

Platão foi um filósofo e matemático importante do período da Grécia Antiga. Durante sua vida, escreveu diversas obras, chamadas de Diálogos, que são consideradas base da ciência e da filosofia ocidental.

Curiosamente, Platão tinha como mentor Sócrates (outro importante fundador da filosofia ocidental). Além disso, Aristóteles (filósofo grego, famoso por suas obras sobre diversos assuntos naturais e científicos) era seu pupilo.

Conheça, a seguir, a história desse importante filósofo grego e entenda quais foram suas principais contribuições, especialmente no campo da filosofia e do estudo de ciências.

Platão

Vida de Platão

1. Nascimento

Platão nasceu em 428/427 antes de Cristo (data estimada), filho de Perictíone e Ariston – filósofo e descendente do rei Codro, o último monarca de Atenas. Teve três irmãos, que mais tarde apareceriam em suas obras / Diálogos.

Acredita-se que seu nome de nascimento é Arístocles, em homenagem ao seu avô. O apelido Platon (Platão), que significa grande, veio de seu treinador de luta, numa referência à aparência física do filósofo, que tinha a fronte larga.

2. Infância e adolescência

Durante sua infância e adolescência, Platão foi instruído em música, gramática e ginástica, além de ter realizado cursos de filosofia. Na época, foi elogiado pelos professores pela rapidez mental e pelo ótimo desempenho nos estudos.

O filósofo viveu, na juventude, um período repleto de agitações e instabilidades políticas, provocadas pela Guerra do Peloponeso, seguidas de outros eventos históricos importantes, como Oligarquia dos Quatrocentos e o período dos Trinta Tiranos, que marcaram a frágil democracia da época.

3. Fase adulta

Platão filósofo

Com o fim da Guerra de Peloponeso, Platão foi convidado a participar da nova política vigente, porém declinou a proposta porque considerava o regime criminoso. Houve, ainda, um agravante: em 399 antes de Cristo, Sócrates, seu professor, foi executado, o que fez com que desgostasse ainda mais da política.

A partir de então, tornou-se crítico severo do sistema político, considerando este defeituoso e imoral, e passando a demandar um estado que fosse governado por filósofos.

Em 388 a. C., iniciou uma série de viagens à Sicília, numa tentativa de influenciar Dionísio I (tirano de Siracusa) sobre sua proposta de um rei filósofo. Entretanto, não obteve sucesso na primeira vez e foi expulso da região.

No mesmo ano, comprou um ginásio próximo à Colona (noroeste de Atenas), ampliou a estrutura e construiu alojamentos para estudantes, local que ficou conhecido como Academia, mais tarde, Escola de Platão.

Inclusive, a Academia é considerada a primeira instituição de educação superior do ocidente e seus integrantes estudavam filosofia e praticavam ginástica. Foi na Academia que Platão escreveu vários de seus Diálogos, como Fédon e Banquete, além de ter começado a elaborar A República, uma de suas obras mais famosas, narrada em primeira pessoa por Sócrates.

Em 366/367 e 361 a. C., Platão fez mais duas viagens à Sicília, com intenções políticas, mas não teve sucesso nas empreitadas e retorna para Atenas, em 360 a.C.

3. Morte

Após seu retorno, Plantão volta à Academia e escreve obras até sua morte, cerca de 348 a.C. Acredita-se que seu corpo tenha sido sepultado na própria Academia.

Feitos e importância de Platão para a filosofia

1. Obras

Um dos principais feitos e importância de Platão é sua obra, que foi escrita ao longo de 50 anos. Trata-se do filósofo Platãoprimeiro filósofo antigo a ter obras completas e preservadas até os dias atuais, o que possibilitou conhecer o pensamento não só dele, mas de Sócrates e outros como Heráclito, Pitágoras e Parmênides.

2. Diálogo na filosofia

Platão foi o criador e introdutor do método de Diálogo, característica marcante de sua obra, que era utilizado como forma de expressão e transmissão de seu pensamento filosófico.

3. Filosofia política ocidental

Com a obra A República, Platão fundou a filosofia política do ocidente. Trata-se de um Diálogo importantíssimo, no qual se busca uma fórmula que consiga garantir uma administração harmoniosa à cidade, livre do caos e dos interesses particulares.

4. O mito da caverna

O mito da caverna é uma das alegorias mais famosas da filosofia de Platão, presente em A República e utilizada para explicar como se dá a aquisição de conhecimento, desde a ignorância (caracterizada pelas sombras dentro da caverna) até o mundo das ideias (representado pelo sol fora da caverna, ou seja, pela luz, pelo esclarecimento).


Ajude a melhorar ainda mais o site, avalie:

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...

Leave a Reply