Pretérito mais-que-perfeito – O que é? Regras de formação e Exemplos

O pretérito mais-que-perfeito é um tempo verbal da língua portuguesa responsável especialmente por indicar ações passadas que aconteceram num tempo anterior ao de outra ação também do passado. Ele divide-se em: pretérito mais-que-perfeito simples e composto do indicativo e pretérito mais-que-perfeito composto do subjuntivo.

Neste artigo, veremos tudo a respeito do pretérito mais-que-perfeito. Só aqui, no Gestão Educacional!

O que é pretérito mais-que-perfeito do indicativo (forma simples e composta)?

O pretérito mais-que-perfeito do indicativo é um dos tempos verbais da língua portuguesa. Ele ser do “pretérito” indica que a ação ocorreu num momento anterior ao da enunciação. Ele ser “mais-que-perfeito” indica que a ação foi concluída no passado, mas num momento anterior ao de outra ação, que também ocorreu no passado. Ele ser “do indicativo”, por sua vez, indica que as ações ocorreram com certeza ou com grande possibilidade.

Portanto, o pretérito mais-que-perfeito do indicativo indica uma ação que certamente ou possivelmente ocorreu no passado, antes de outra ação também já passada. Além disso, ele também pode ser usado para indicar uma ação situada num tempo incerto do passado. Confira o exemplo:

(1) Quando Guilherme chegou, seu pai já limpara a casa.

(2) Anderson bebera vinho.

Em (1), temos um exemplo de uma ação que ocorreu antes de outra, estando ambas situadas no passado: quando Guilherme chegou (no passado), seu pai já limpara a casa (ainda mais no passado, ou seja, antes da outra ação acontecer).

Já em (2), tem-se um exemplo de uma ação situada num tempo incerto do passado. Sabemos que Anderson bebera vinho, mas não sabemos em que momento do tempo.

Esses exemplos acima estão todos na forma simples do pretérito mais-que-perfeito do indicativo. Na forma simples, este tempo verbal é muito pouco utilizado no português informal do cotidiano, estando limitada, hoje em dia, quase que exclusivamente à literatura e à poesia mais formais.

A forma composta do pretérito mais-que-perfeito do indicativo, porém, é mais utilizada no cotidiano. Confira os mesmos exemplos anteriores, agora na forma composta:

(3) Quando Guilherme chegou, seu pai já tinha limpado a casa.

(4) Anderson havia tomado vinho.

O sentido das frases acima permanece o mesmo das anteriores, com a única diferença quanto ao fato de as duas primeiras estarem na forma simples, com apenas um verbo, enquanto as duas últimas estão na forma composta, com dois verbos, em tempos verbais diferentes, sendo a forma composta, como mencionado, a mais utilizada no português informal.

Pretérito mais-que-perfeito do subjuntivo

O pretérito mais-que-perfeito do subjuntivo, por sua vez, existe apenas na forma composta e serve para indicar hipóteses que contrariam um fato já passado ou ações que ocorreram no passado antes de ações também do passado. Confira os exemplos:

(5) Se eu tivesse estudado mais, teria ido melhor no exame.

(6) Embora a aula já tivesse começado, o professor permitiu que alguns estudantes entrassem.

Em (5), o sujeito apresenta a seguinte hipótese: se ele tivesse, no passado, estudado mais ou melhor, ele teria tirado uma nota superior no exame que prestou em algum momento também do passado.

Em (6), por sua vez, temos um exemplo do pretérito mais-que-perfeito composto do subjuntivo sendo usado para indicar um fato anterior a outro fato já passado.

Regras para a formação do pretérito mais-que-perfeito com verbos regulares

Os verbos regulares da língua portuguesa, como o nome indica, mantêm uma certa regularidade, ao serem conjugados nos diversos tempos e modos verbais, podendo ser divididos em verbos de:

  • 1ª conjugação: verbos que possuem a vogal temática -a-:
    • Parar, gritar, aproveitar;
  • 2ª conjugação: verbos que possuem a vogal temática -e-:
    • Viver, perceber, proteger;
  • 3ª conjugação: verbos que possuem a vogal temática -i-:
    • Imprimir, decidir, discutir.

As regras para se formar o pretérito mais-que-perfeito em língua portuguesa são as seguintes:

  • Pretérito mais-que-perfeito simples do indicativo
    • 1ª conjugação

Eu           radical + ara                      U+2192.svg           Eu and + ara

Tu           radical + aras                     U+2192.svg           Tu and + aras

Ele          radical + ara                      U+2192.svg           Ele and + ara

Nós        radical + áramos            U+2192.svg          Nós and + áramos

Vós        radical + áreis                    U+2192.svg         Vós and + áreis

Eles        radical + aram                 U+2192.svg         Eles and + aram

    • 2ª conjugação

Eu           radical + era                      U+2192.svg          Eu com + era

Tu           radical + eras                   U+2192.svg           Tu com + eras

Ele          radical + era                     U+2192.svg           Ele com + era

Nós        radical + êramos             U+2192.svg           Nós com + êramos

Vós        radical + êreis                   U+2192.svg           Vós com + êreis

Eles        radical + eram                  U+2192.svg           Eles com + eram

    • 3ª conjugação

 Eu           radical + ira                     U+2192.svg          Eu part + ira

Tu           radical + iras                    U+2192.svg         Tu part + iras

Ele          radical + ira                      U+2192.svg        Ele part + ira

Nós        radical + íramos               U+2192.svg         Nós part + íramos

Vós        radical + íreis                    U+2192.svg          Vós part + íreis

Eles        radical + iram                   U+2192.svg          Eles part + iram

  • Pretérito mais-que-perfeito composto do indicativo

Eu           tinha + particípio do verbo principal                U+2192.svg       Eu tinha + estudado

Tu           tinhas + particípio do verbo principal              U+2192.svg          Tu tinhas + estudado

Ele          tinha + particípio do verbo principal                U+2192.svg          Ele tinha + estudado

Nós        tínhamos + particípio do verbo principal        U+2192.svg         Nós tínhamos + estudado

Vós        tínheis + particípio do verbo principal               U+2192.svg           Vós tínheis + estudado

Eles        tinham + particípio do verbo principal              U+2192.svg         Eles tinham + estudado

  • Pretérito mais-que-perfeito composto do subjuntivo

Se       eu          tivesse + particípio do verbo principal           U+2192.svg         Se eu tivesse + estudado

Se       tu           tivesses + particípio do verbo principal         U+2192.svg         Se tu tivesses + estudado

Se      ele         tivesse + particípio do verbo principal            U+2192.svg         Se ele tivesse + estudado

Se     nós        tivéssemos + particípio do verbo principal    U+2192.svg          Se nós tivéssemos + estudado

Se     vós         tivésseis + particípio do verbo principal         U+2192.svg          Se vós tivésseis + estudado

Se     eles       tivessem + particípio do verbo principal         U+2192.svg        Se eles tivessem + estudado

Alexandre Garcia Peres

Alexandre Garcia Peres, formado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), gosta de arte, literatura, língua portuguesa, poesia e do seu gato.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content