Ruy Barbosa – Quem foi? Biografia e Principais Feitos

Ruy Barbosa de Oliveira foi um escritor, jurista, jornalista e político brasileiro, nascido na primeira metade do século XIX. Foi um dos maiores intelectuais brasileiros e figura importantíssima na luta pela abolição da escravatura, pelos direitos e pelas garantias individuais e de implantação de um regime republicano no Brasil.

Nascimento e juventude de Ruy Barbosa

Ruy Barbosa nasceu em Salvador, em 1849. Oriundo de uma família com prestígio político na região, o que lhe permitiu estudar nos melhores colégios da cidade, desde criança já dava sinais de possuir um intelecto privilegiado.

Em 1866, ingressou na Faculdade de Direito de Recife. Dois anos depois muda-se, juntamente com seu amigo Castro Alves, para São Paulo, concluindo o curso de Direito em 1971, e retornando para a Bahia logo depois.

O início da carreira

Iniciou a carreira atuando como advogado no escritório de Souza Dantas, amigo da família. Também colaborava com matérias regulares para o jornal Diário da Bahia, assumindo a direção deste anos depois. Como membro do Partido Liberal, foi eleito, em 1877, deputado na Assembleia da Bahia.

Ruy Barbosa era um abolicionista convicto, trabalhando arduamente para tentar pôr fim ao regime escravocrata no país. Ao mesmo tempo, era a favor do federalismo, defendendo um regime republicano com a mesma energia com a qual lutava contra a escravidão.

A primeira República

A República finalmente chegou em 1889, e Ruy Barbosa foi convidado a participar do governo de Deodoro da Fonseca, como Ministro da Economia.

Sua participação foi marcante por um lado e polêmica por outro. A grande contribuição de Ruy Barbosa para a República que se iniciava foi a criação da primeira constituição republicana, fortemente inspirada na constituição norte-americana, e quase toda de sua autoria.

A primeira polêmica do político dentro do novo governo se deve à sua decisão equivocada de destruir uma série de documentos relativos ao período escravocrata brasileiro. Não se sabe ao certo quais os reais motivos para essa decisão. O próprio Ruy Barbosa teria dito que queria apagar a “mancha” deixada pela escravidão na história do país.

Alguns historiadores acreditam que possa ter sido uma medida para impedir que os antigos proprietários de escravos pudessem pleitear qualquer tipo de indenização. O fato é que, do ponto de vista histórico, fomos privados de farta documentação que ajudaria a elucidar muitos aspectos e questões a respeito desse período.

O encilhamento

Como Ministro da Fazenda, Ruy Barbosa deu continuidade a uma política que havia começado com o Visconde de Ouro Preto, último Ministro da Fazenda do período monárquico.

Essa política consistia na concessão de crédito para grandes empresas, com a justificativa de atrair investimentos e estimular a industrialização do país. A garantia do governo era a emissão de papel moeda.

O resultado foi desastroso. Ao invés da industrialização esperada, vieram fortes especulações, seguidas de uma inflação sem controle, causando uma estagnação econômica que durou vários anos. Como resultado, Ruy Barbosa deixa o cargo, após dois anos à frente do ministério.

Desiludido com os rumos que a República havia tomado, passa a fazer oposição ao governo de Floriano Peixoto, que assumiu a presidência após a renúncia de Deodoro da Fonseca, em 1891. Com a Segunda Revolta da Armada, em 1893, teve que buscar exílio na Argentina, mesmo não tendo participação ativa no movimento, retornando dois anos depois.

A Campanha Civilista

Em 1910, Ruy Barbosa se candidata novamente à Presidência da República (já havia se candidatado em 1894), tendo como vice Albuquerque Lins. Sua campanha ficou conhecida como a Campanha Civilista, por defender a eleição de um civil em oposição ao militar Hermes da Fonseca, candidato apoiado pelo então presidente Nilo Peçanha e favorito ao cargo.

Sua campanha foi marcada pela tentativa de aproximação com a população e pela realização de comícios em várias cidades do país. Era um jeito novo de fazer campanha, mas que não foi suficiente para evitar a derrota.

Continua atuando ativamente na política até 1921 quando, já cansado e com problemas de saúde, renuncia ao cargo de senador. Ruy Barbosa morreu no dia 1º de março de 1923, em Petrópolis.

Legado

Ruy Barbosa ficou internacionalmente conhecido como o Águia de Haia, por sua atuação na Conferência de mesmo nome, realizada na Holanda, em 1907, e que discutia a criação de uma corte internacional de justiça.

Foi membro fundador da Academia Brasileira de Letras e autor de várias obras literárias. Por conta de seu imenso legado, é considerado uma das personalidades mais ilustres da história do Brasil.

Umberto Oliveira

Bacharel em História pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content