Ciclo da mineração – O que foi? Início, Ouro, Diamante e Serra Pelada

Uma das principais atividades econômicas desenvolvidas durante o período colonial – junto com a extração do pau-brasil e o plantio da cana-de-açúcar – foi a mineração. Os europeus tinham conhecimento das técnicas deste ofício e buscaram a oportunidade de lucrar com a extração dos recursos naturais.

Os Bandeirantes, na tentativa de encontrar pedras preciosas, tais como ouro, prata e diamante, desbravaram o interior do país, aumentando o território ocupado pelos portugueses e possibilitando a descoberta de várias jazidas de minerais, que foram amplamente exploradas. Isso dá início ao período que chamamos de ciclo da mineração.

Ciclo do ouro

O ciclo do ouro teve início no final do século XVII, após jazidas do mineral terem sido descobertas na região do estado de Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso, atingindo seu auge no século XVIII. A descoberta dessas jazidas veio bem a calhar, pois os portugueses vinham tendo muitos prejuízos por conta da concorrência mundial pelo mercado do açúcar, e a extração do ouro era uma boa alternativa para amenizar essas perdas.

O ciclo do ouro gerou grandes riquezas para Portugal, na mesma medida que também gerou insatisfação na população do Brasil, devido aos altos impostos cobrados pela atividade. Essas taxas eram:

  • O Quinto: 20% de toda a produção do ouro (ou seja, um quinto) pertencia ao rei de Portugal;
  • A Capitação: era um imposto pago pelo senhor de lavras por cada escravo que trabalhava em seus lotes;
  • A Derrama: uma quota de 100 arrobas (aproximadamente 1.500kg de ouro) por ano, que deveria ser atingida como meta pelos municípios. Caso a cota não fosse cumprida, seria decretada a Derrama, uma cobrança coletiva, na qual todos os moradores deveriam contribuir para cobrir a quantidade faltante.

As taxas excessivas e os abusos de poder político exercidos pelos portugueses sobre o povo que vivia na região acabou por gerar vários revoltas, sendo a mais famosa delas a Inconfidência Mineira, movimento separatista ocorrido em Minas Gerais.

O ciclo do ouro termina em fins do século XVIII, graças ao esgotamento da maior parte das minas até então conhecidas no país.

O ciclo do diamante

Durante o século XVII, ocorreram as primeiras descobertas de diamantes na região de Arraial, atual cidade de Diamantina, em Minas Gerais. Em 1729, também foram descobertas jazidas na região do Serro do Frio, norte de Minas Gerais. A descoberta dessas jazidas levou a um grande fluxo de pessoas para essas regiões.

O excesso de pedras extraídas provocou a queda de preço do diamante.  A Coroa portuguesa elevou a taxa de capitação por pessoa, para tentar frear o entusiasmo com a atividade.

A partir de 1734, a extração foi proibida, sendo reaberta somente em 1739, sob controle da Intendência dos Diamantes. Essa nova extração era feita por meio de contratos de 4 anos, controlados pela Coroa. Tal sistema foi substituído pela criação, em 1771, da Real Extração Diamantina.

Assim como a extração do ouro, a de diamantes entrou em declínio devido ao esgotamento das jazidas, tendo seu fim no século XIX.

Serra Pelada

Desde o fim do ciclo de ouro e da exploração de diamantes, acreditava-se que não existiam mais grandes jazidas de minerais preciosos no Brasil. Isso mudou com a descoberta de ouro em Serra Pelada.

Serra Pelada é o nome dado a uma região localizada no Estado do Pará, próxima ao município de Curionópolis. No final de 1979, pepitas de ouro foram descobertas nessa região, fazendo com que o local fosse, a partir do ano seguinte, invadido por milhares de pessoas em busca do enriquecimento rápido com ouro.

Para controlar o local, o governo militar nomeou o Major do exército Sebastião Rodrigues de Moura, mais conhecido como Curió, como administrador do garimpo.

A área rapidamente se tornou o maior garimpo a céu aberto do mundo, chegando ter mais de 100 mil pessoas trabalhando ali. As condições de trabalho no garimpo eram extremamente precárias: calor intenso, equipamentos precários, barrancos altamente perigosos, poeira de monóxido de ferro no ar, sem falar no mercúrio, substância altamente tóxica utilizada para formar uma liga junto ao ouro, facilitando a sua separação da terra.

Muitos garimpeiros foram até Serra Pelada na expectativa de enriquecer, mas, na prática, eles eram expostos a um trabalho árduo e pouco remunerado, pois eram obrigados a vender o ouro que encontrassem para uma unidade da Caixa Econômica Federal improvisada no local, e o valor pago era aproximadamente 60% abaixo do valor real. O garimpo de Serra Pelada foi fechado em 1992 pelo Governo Federal.

Umberto Oliveira

Bacharel em História pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content