Teoria da Evolução – Como o Homem Surgiu? Charles Darwin

Desde que a humanidade surgiu, perguntamos-nos se somos os únicos no universo, como se deu início a vida, como há tantas formas diferentes de seres vivos vivendo no mesmo planeta, entre outras indagações.  Desde então, milhares de teorias foram criadas para responder a todos os questionamentos levantados, não se sabendo ao certo a resposta ideal para tudo – ainda mais porque muita coisa ainda é só especulação.

Muitas pessoas acreditando que há um ser maior e divino que criou tudo. Já outras, cientificamente falando, veem na teoria da evolução proposta por Charles Darwin uma resposta mais concreta, sendo esta a mais aceita até então.

Conheça mais sobre como o homem supostamente surgiu ao longo de bilhões de anos de evolução, no texto abaixo.

Teoria da Evolução

Esse estudo foi proposto pela primeira vez por Charles Darwin, em meados do século XIX, com o intuito de ir contra a teoria da fé. Em homenagem ao seu descobridor, a Teoria da Evolução também recebeu o nome de Darwinismo, ou Seleção Natural das Espécies, propondo que todos viemos de um mesmo ancestral em comum e fomos evoluindo com a transformação natural. Por consequência, apenas os mais fortes e aptos a sobreviveram e os seres mais fracos acabaram sendo extintos do planeta, sem a perpetuação de sua espécie.

Darwin acreditava que todas as formas de vida evoluíram de um único ser vivo, que foi se modificando e evoluindo ao longo dos milhares de anos. Por conta disso, viemos de forma mais simples e continuaremos nos tornando mais complexos e evoluídos. A teoria propunha que os seres mais adaptados a um ambiente teriam mais chances de sobreviver do que outros menos adaptados, devido à evolução natural.

Limitações de recursos faziam com que os animais lutassem entre si, o que poderia acontecer de maneira direta ou indireta, e só os mais fortes sobreviviam em busca de alimentos e recursos necessários para sobreviver. Os indivíduos que possuíam mutações genéticas que os tornavam mais fortes poderiam transmiti-las com a reprodução sexuada, fortalecendo ainda mais a espécie. O mesmo acontece com micro-organismos que se reproduzem pela mitose, um exemplo disso são as bactérias super resistentes a antibióticos.

Um dos exemplos da teoria está ao observar o embrião de diferentes animais, os quais são muito similares entre si.

 

De onde Veio a Teoria?

teoria darwinista

Alfred Russel Walllace teve um grande e importante papel para a construção da Teoria da Evolução, tendo-a guardado por 20 anos, até publicá-la em 1858, em conjunto com Darwin. Porém, este possuía mais argumentos e evidências, portanto, sendo mais conhecido e tendo escrito um livro sobre a luta pela sobrevivência e espécies mais favorecidas.

Ou seja, como na época as mutações genéticas e o hereditarismo não eram ainda conhecidas pela ciência, Darwin teve mais mérito que Wallace.

Antes de Darwin, Lamarck acreditava que as características nos animais iam evoluindo por uso e desuso. Isto é, uma girafa que vivia em um ambiente com árvores altas precisaria do seu pescoço para alcançar as folhas e alimentar-se. Darwin, por sua vez, acreditava que o ambiente influenciava na sobrevivência ou não da espécie, pois defendia que havia variações no tamanho do pescoço das girafas, sendo que as com pescoço mais curto não conseguiriam comer as folhas das árvores e acabariam morrendo, restando apenas as de pescoço maior.

teoria da evolução

Neodarwinismo

Na época da Teoria da Evolução, não era conhecida a hereditariedade ou mesmo a mutação, que só foi estudada anos mais tarde por Gregor Russel. Portanto, Neodarwinismo, ou Teoria Sintética de Evolução, surgiu com a união dos dois estudos no século XX.

A evolução natural pode ser destacada em todas as áreas da biologia, inclusive na citologia, responsável por criar as células. Esta é então a teoria mais aceita até o momento, tendo seus conceitos principais voltados para a mutação, a recombinação genética, a seleção natural e o isolamento reprodutivo.

A mutação e recombinação acontecem nos cromossomos ou de maneira espontânea no DNA. Elas podem ser benéficas e positivas para a evolução, quando acontecem nas células reprodutoras. No entanto, a recombinação genética acontece durante a reprodução sexuada, período no qual há a troca de genes para constituição de um novo ser vivo.

Rafaela Cortes

Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Revoltada por natureza, vê na comunicação uma oportunidade de extravasar a sua paixão por curiosidades, arte e conhecimento.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content