Verbos anômalos – O que são? Quais são? Classificação e Exemplos

Os verbos anômalos são uma das classificações que os verbos podem ter na língua portuguesa, embora só exista na Nomenclatura Gramatical Brasileira. Eles são tipos especiais de verbos irregulares, cuja irregularidade é tanta que eles não podem ser classificados nem como regulares, nem como irregulares. Tratam-se, portanto, de “anomalias”.

Ficou interessado? Pois neste artigo, do Gestão Educacional, veremos tudo a respeito dos verbos anômalos. Confira!

O que são verbos anômalos?

Os verbos anômalos são tipos especiais de verbos irregulares. Estes são aqueles que, quando conjugados, seus radicais ou suas desinências sofrem alterações, afastando-se do chamado “paradigma de conjugação” (os verbos regulares seguem esse paradigma, pois são conjugados mediante uma certa lógica).

É o caso, por exemplo, do verbo “pedir”, cujo radical é “ped-”. Na primeira pessoa do singular do presente do indicativo, o verbo “pedir” é conjugado como “eu peço”. É nítida a mudança no radical em comparação às outras pessoas do presente do indicativo (“tu pedes”, “ele pede”, “nós pedimos”, “vós pedis” e “eles pedem”), que são conjugados de forma regular, mantendo o radical intacto.

Acontece que há alguns verbos cujas alterações nos radicais são ainda maiores. Tão maiores que eles não podem ser simplesmente classificados como irregulares: estamos falando dos verbos anômalos.

Como são classificados?

Os verbos anômalos são aqueles que apresentam irregularidades profundas em suas conjugações, não se enquadrando em nenhuma outra classificação. É o caso, por exemplo, do verbo “ser”. Observe a conjugação dele no presente do indicativo:

  • Eu sou;
  • Tu és;
  • Ele é;
  • Nós somos;
  • Vós sois;
  • Eles são.

O radical de “ser” é justamente “ser-”. Perceba que, na conjugação acima, não houve nenhuma conjugação regular, ou seja, o radical sofreu alterações em todas as pessoas. O verbo “ser” só é conjugado regularmente no futuro do presente, no futuro do pretérito e no infinitivo e infinitivo pessoal. Trata-se, portanto, de um verbo anômalo.

Convém mencionar que a classificação “verbo anômalo” só existe na gramática brasileira. Na Nomenclatura Gramatical Portuguesa, não se faz a distinção entre verbos irregulares e verbos anômalos, sendo essa última classificação inexistente.

Quais são os verbos anômalos do português?

Há uma certa discordância em relação aos gramáticos a respeito de quais são os verbos anômalos do português. Os principais verbos anômalos reconhecidos são os verbos “ir” e “ser”, já reconhecidos na gramática de Rocha Lima (1996, p. 156).

Os gramáticos Cunha & Cintra, entretanto, consideram os verbos “estar”, “haver”, “ter”, “vir” e “pôr” também como verbos anômalos (2017, p. 401).

Outros gramáticos também consideram os verbos “saber”, “dar”, “poder”, “dizer”, “ver”, “caber” e outros como verbos anômalos, embora seja difícil precisar os limites para se considerar um verbo como anômalo ou como irregular.

Exemplos de conjugação de verbos anômalos

Confira, abaixo, a conjugação do verbo “ir”, um dos verbos mais anômalos da língua portuguesa. As irregularidades estão sublinhadas.

Verbo ir

  • Indicativo
    • Presente do indicativo

Eu           vou;

Tu           vais;

Ele          vai;

Nós        vamos;

Vós        ides;

Eles        vão.

    • Pretérito imperfeito do indicativo

Eu           ia;

Tu           ias;

Ele          ia;

Nós        íamos;

Vós        íeis;

Eles        iam.

    • Pretérito perfeito do indicativo

Eu           fui;

Tu           foste;

Ele          foi;

Nós        fomos;

Vós        fostes;

Eles        foram.

    • Pretérito mais-que-perfeito do indicativo

Eu           fora;

Tu           foras;

Ele          fora;

Nós        fôramos;

Vós        fôreis;

Eles        foram.

    • Futuro do presente do indicativo

Eu           irei;

Tu           irás;

Ele          irá;

Nós        iremos;

Vós        ireis;

Eles        irão.

    • Futuro do pretérito do indicativo

Eu           iria;

Tu           irias;

Ele          iria;

Nós        iríamos;

Vós        iríeis;

Eles        iriam.

  • Subjuntivo
    • Presente do subjuntivo

Que eu        vá;

Que tu         vás;

Que ele         vá;

Que nós        vamos;

Que vós        vades;

Que eles         vão.

    • Pretérito imperfeito do subjuntivo

Se eu            fosse;

Se tu             fosses;

Se ele            fosse;

Se nós           fôssemos;

Se vós            fôsseis;

Se eles            fossem.

    • Futuro do subjuntivo

Quando eu          for;

Quando tu           fores;

Quando ele          for;

Quando nós         formos;

Quando vós          fordes;

Quando eles         forem.

  • Imperativo
    • Imperativo afirmativo

Vai            tu;

            você;

Vamos      nós;

Ide             vós;

Vão            vocês.

    • Imperativo negativo

Não       vás         tu;

Não                  você;

Não       vamos     nós;

Não       vades       vós;

Não       vão            vocês;

    • Infinitivo pessoal

Por         ir             eu;

Por         ires        tu;

Por         ir             ele;

Por         irmos    nós;

Por         irdes      vós;

Por         irem      eles.

  • Formas nominais
    • Gerúndio: indo;
    • Particípio passado: ido;
    • Infinitivo: ir.

Alexandre Garcia Peres

Alexandre Garcia Peres, formado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), gosta de arte, literatura, língua portuguesa, poesia e do seu gato.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content