Boto – Características físicas, Comportamento, Habitat, Alimentação e Reprodução

Os botos, também chamados de golfinhos de água doce, são mamíferos marinhos, pertencentes à ordem Cetacea e à família Delphinidae. Existem 4 espécies que são encontradas no bioma Amazônico, apesar de ainda haver certa confusão quanto à sua classificação. São elas Sotalia fluviatilis, Inia geoffrensis, Inia boliviensis e Inia araguaiaensis.

Dessas, S. fluviatilis está classificada como ‘vulnerável à extinção’ pela International Union of Conservation of Nature (IUCN). JáInia geoffrensis não possui dados suficientes para avaliarmos seu status populacional.

A espécie Inia boliviensis é endêmica da Bolívia e também não possui dados científicos suficientes. A quarta espécie, Inia araguaiaensis, foi descoberta na bacia do Rio Araguaia.

Que saber mais? Confira, abaixo, outros detalhes dos botos que ocorrem no Brasil.

Botos brasileiros

Boto-cinza (Sotalia fluviatilis)

Características físicas

O Sotalia fluviatilis pode pesar até 40 quilos e medir 1,70 metros.

Habitat

Esta espécie é encontrada em águas costeiras e turvas, presentes no estado do Amazonas e Santa Catarina, e também no país Honduras, na América Central.

Comportamento

Os botos exibem vocalização tanto para se comunicar com outros membros do grupo quanto para se orientar. O som e o eco produzem um biossonar.

Eles podem emitir até 30 sons diferentes. Além disso, são ótimos nadadores e podem saltar até 5 metros acima d’água.

Alimentação

O boto-cinza é carnívoro. Sua dieta é composta por anchovas, polvos e lulas, quando em água salgada. Em água doce, alimenta-se de 28 espécies de peixes.

Reprodução

A gestação dura entre 11 e 12 meses e é gerado apenas um filhote por vez. Durante o parto, que ocorre entre os meses de outubro e novembro, nos rios, a fêmea recebe ajuda de outros membros do grupo. No mar, não se sabe quando as fêmeas dão à luz.

O filhote nasce com cerca de 70 centímetros e o desmame ocorre por volta dos 7 meses de idade.

Boto-cor-de-rosa (Inia geoffrensis)

Características físicas

A espécie Inia geoffrensis, também conhecido como boto vermelho, apresenta 2,50 metros de comprimento e 200 quilos, o que o dá a reputação de maior golfinho de água doce do mundo.

Em geral, os machos são maiores que as fêmeas. Seu focinho é alongado, com inúmeros dentes pequenos. A coloração de sua pele varia entre o cinza, quando filhote, e avermelhado, quando adulto.

Habitat

O boto-cor-de-rosa é encontrado praticamente em todos os tipos de habitats fluviais. Está distribuído no norte da América do Sul, nas bacias do rio Amazonas e do rio Orinoco.

Durante a época de águas altas ou “cheia”, os botos exploram a floresta alagada em busca de alimento, enquanto na época de águas baixas ou “seca”, eles preferem permanecer nos rios e igarapés, onde há mais peixes.

Parece também haver uma preferência de habitat de acordo com o sexo: as fêmeas e seus filhotes preferem ficar nos complexos de lagos e pequenos tributários, já os machos são mais frequentemente encontrados nos rios principais.

Comportamento

São animais de hábito solitário, apesar de serem vistos em grupos de 2 a 4 animais, em alguns momentos. A ligação mais estreita entre os indivíduos é da mãe com o filhote. Essa espécie também apresenta o sistema de ecolocalização.

Alimentação

Esses animais são carnívoros e consomem uma grande variedade de peixes. Estima-se que consumam até 2,5% do seu peso por dia.

Reprodução

As fêmeas atingem a maturidade sexual por volta dos 10 anos de idade e a gestação dura entre 12 e 13 meses. O parto pode ocorrer em qualquer época do ano, mas, em geral, muitos filhotes nascem durante a seca, quando há mais alimento no rio. Apenas um filhote é gerado por vez e o cuidado parental dura, aproximadamente, 3 anos.

Essa espécie pode viver até os 45 anos.

Boto araguaio (Inia araguaiaensis)

O boto araguaio é a mais nova espécie encontrada vivendo no Rio Araguaia. Por meio de análises de DNA, foi possível verificar as diferenças entre ele e Inia geoffrensis. No entanto, as distinções físicas são bastante sutis, como o tamanho do crânio e o número de dentes.

Como o Rio Araguaia é um dos que mais sofre a influência antrópica, em função da construção de hidroelétricas, das atividades agrícolas e pecuárias e do turismo, o boto araguaio já se encontra ameaçado de extinção.

Bruna Manuele Campos

Bacharel e Licenciada em Ciências Biológicas pela USP (2016 e 2018), tem 25 anos e é apaixonada pela natureza e por explorar o mundo. Quando não está se aventurando por aí, gosta de aquietar as pernas com livros e séries.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content