Burguesia – O que é? Etimologia, Evolução e Atualidade

Burguesia é um termo cujo significado mudou muito ao longo da história, sendo muito difícil sua definição em termos simples. No campo econômico, o termo é utilizado para designar a classe que detêm o capital de forma privada, ou seja, desde banqueiros, donos das indústrias, e grandes proprietários de terras, até pequenos comerciantes. No campo social, pode também ser utilizado como forma de “status” por famílias representantes da elite.

Confira o que significado o tema, sua história e exemplos, só aqui no Gestão Educacional!

Etmologia do termo

Burguesia

A palavra burguesia deriva do termo latino burgus, com o significado de vila, associado ao termo gêrmanico bürg, derivado de berg, que pode significar rocha ou montanha. Dessa forma, um burgo era uma pequena vila fortificada, muitas vezes construída no alto de um morro ou próxima a uma fortaleza.

Inicialmente, o burguês era o habitante do burgo, termo em oposição ao camponês, o habitante do campo.

Evolução da burguesia ao longo da história

Durante a Idade Média, surgem pequenos comerciantes nos burgos. À medida que o burgo cresce, cresce também a atividade (e a diversidade) comercial, com esses pequenos comerciantes ganhando importância dentro daquela sociedade.

O crescimento populacional do burgo implica em novas demandas, novos serviços. Assim, surgem as guildas, também chamadas de corporações de ofício, que nada mais eram que associações que regulamentavam os Burguesiaofícios e os processos produtivos artesanais.

Essas transformações econômicas proporcionaram aos comerciantes uma espécie de ascensão social. Esse é o momento em que surge uma nova classe social, e os burgueses, agora homens de posse e de destaque, que passam a se diferenciar dos outros habitantes do burgo, os vilões.

Com a crise sofrida pelo regime feudal e sua consequente decadência, a burguesia começa então a ocupar o lugar deixado por parte da nobreza, crescendo em importância e poder. Muitas cidades passaram a oferecer aos reis apoio financeiro em troca de autonomia, conseguida por meio das cartas de franquia.

Essa autonomia permitiu a estabilização definitiva da burguesia, possibilitando que ela mesma se tornasse, com o tempo, uma nova nobreza.

Aliado à abertura de novas rotas para exploração comercial pelas Grandes Navegações, bem como a realização de grandes feiras que reuniam comerciantes de toda a Europa, esse período promoveu um grande crescimento para a burguesia dos séculos XV, XVI e XVII.

Revoluções Francesa e Industrial

Como integrante do Terceiro Estado, a burguesia teve participação importantíssima durante a Revolução Francesa, sendo uma das classes responsáveis pelo fim do regime absolutista naquele país.

O impacto do fim do regime causou grandes transformações nas estruturas sociais europeias, contribuindo com a transição para uma sociedade moderna, criando as bases para o fortalecimento de uma economia livre e abrindo caminho definitivo para a expansão da Revolução Industrial.

Burguesia na visão de Karl Marx

A burguesia emerge da Revolução Industrial como grande potência econômica, capaz de causar profundas alterações nas estruturas sociais como um todo.

O uso do termo foi imortalizado por Karl Marx, filósofo alemão do século XIX, que dedicou parte de sua vida a estudar as relações entre classes sociais e capital. Marx definia a burguesia como a classe dos donos dos meios de produção, ou seja, os donos das fábricas, das terras, banqueiros e grandes comerciantes.

Essa elite capitalista, interessada no lucro e no acúmulo de capital, explorava a mão de obra do proletariado com o apoio do Estado, embora este devesse, a princípio, representar o interesse de todos.

Marx argumentava que tal exploração, marcada pela injustiça, uma vez que os resultados do trabalho revertiam, em sua grande parte, apenas para os patrões, só acabaria com uma luta de classes que resultaria em uma ditadura do proletariado.

Essa ditadura nada mais é do que uma revolução na qual os trabalhadores socializariam os meios de produção, todas as classes sociais e o Estado seriam extintos e todos seriam iguais, vivendo em uma sociedade autorregida e livre das amarras impostas pelo capitalismo.

Burguesia

O termo hoje

Embora ainda permaneça como a classe detentora do capital, a burguesia se diversificou, dividindo-se em alta burguesia (os donos dos meios de produção), média e pequena burguesia. Por outro lado, determinadas profissões e famílias consideradas “tradicionais”, mesmo que empobrecidas, também podem ser consideradas representantes da burguesia, o que mostra que o termo também adquiriu uma forte conotação social ao longo do tempo.

Umberto Oliveira

Bacharel em História pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content