Lutas sociais no Brasil – O que são? Características e Exemplos

Ao longo da história, o homem tem presenciado constantes lutas entre diversos grupos, pelos mais variados motivos. Desde as revoltas de escravos na Roma Antiga, passando por movimentos que pediam um mundo democrático livre da opressão dos regimes absolutistas, na maioria dos casos, em que um grupo se sentiu injustiçado ou perseguido, houve algum tipo de conflito.

O mundo moderno, marcado pelo capitalismo, trouxe à tona novas formas de lutas sociais. Seja no combate às desigualdades, na busca pela liberdade ou contra o preconceito em suas variadas formas, essas lutas estão cada vez mais presentes em nosso cotidiano.

O que são lutas sociais?

Lutas sociais no Brasil

Lutas sociais (também chamadas de movimentos sociais) são uma forma de organização popular na qual um determinado grupo de pessoas luta para conquistar ou manter direitos que julgam merecer dentro de uma sociedade.

Essas lutas podem ter motivações políticas, sociais, religiosas, etc., e são fundamentais em uma democracia.

Para que algo seja considerado um movimento de luta social, é preciso que haja demandas que se transformarão em reivindicações e que beneficiem, de forma coletiva, um grande número de pessoas.

Características dos movimentos sociais no Brasil

Os movimentos sociais apresentam causa, contexto e especificidade próprios, que os diferenciam dos demais. No entanto, existem algumas características comuns, que podem ser encontradas em quase todos, tais como: identificação com uma causa em comum; luta contra algum tipo de injustiça; e oposição a uma força opressora, muitas vezes o próprio Estado ideologia.

Exemplos de lutas sociais

Lutas sociais no Brasil

 

O Brasil já foi palco de várias manifestações sociais ao longo de sua história. Essas lutas tomaram forma durante a Ditadura Militar, intensificando-se após o fim do regime. Desde então, apesar dos avanços em certas áreas, muitos grupos ainda se veem em situação de desigualdade ou de injustiça, o que os leva a buscar uma mobilização no sentido de pleitear por mudanças.

Alguns exemplos de lutas sociais são os mencionados abaixo.

Movimento feminista

Movimento surgido no século XIX, que luta pela ampliação dos direitos das mulheres e pelo aprimoramento de seu papel em sociedade. No Brasil de hoje, o feminismo luta contra a violência contra a mulher, que atinge níveis alarmantes, igualdade nos salários dentro do mercado de trabalho, legalidade do aborto e contra a cultura do estupro, além de outras pautas.

Movimento negro

Podemos identificar a origem dos movimentos negros na luta histórica contra a escravidão. Com o fim desta, veio a liberdade, mas veio também o preconceito e a marginalização do negro, relegado a viver em segundo plano e afastado dos grandes centros.

Desde então, o movimento negro no Brasil vem lutando contra a injustiça provocada por séculos de trabalho escravo, buscando não só uma reparação histórica, como também inclusão social, igualdade de oportunidades e o fim da discriminação racial.

Lutas sociais no Brasil

Movimento dos Sem Terra

Com origem na década de 80, o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra luta por uma reforma agrária que privilegie a desapropriação e distribuição de terras improdutivas, muitas delas grandes latifúndios com origem no período colonial, para o assentamento de famílias carentes.

Defendem, também, a preservação das terras indígenas.

Movimento LGBT

Com cerca de 40 anos, o Movimento LGBT é marcado pela luta, de forma ampla, em prol da diversidade sexual. De maneira específica, cada um dos sujeitos que integram o movimento (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis) tem demandas e interesses específicos.

A cidade de São Paulo é a sede de uma das maiores paradas gays do mundo, que é, antes de mais nada, uma forma de protesto e um alerta para a situação em que vivem os simpatizantes do movimento no Brasil, que sofrem com discriminação e violência diariamente.

Lutas sociais no Brasil

Movimento sindical

O movimento sindical é uma associação de trabalhadores que se unem aos sindicatos que, por sua vez, devem lutar pelos interesses da classe trabalhadora.

Os sindicatos surgem no século XIX como uma resposta ao capitalismo desenfreado que surgiu após a Revolução Industrial, na qual os trabalhadores eram expostos a longas jornadas de trabalho e a salários baixíssimos.

No Brasil, o movimento sindical existe, de forma oficial, desde 1930, sendo duramente reprimido durante o regime militar. Com o fim deste, os sindicatos voltaram a se expandir e, mesmo com as recentes mudanças de legislação, ainda são uma importante ferramenta na defesa dos interesses da classe trabalhadora.

Conclusão

Não há democracia de fato se não houver respeito e liberdade (política, religiosa, etc.). Infelizmente, a história tem mostrado que valores que deveriam ser naturais, muitas vezes só são conquistados com muita luta.

As lutas sociais são uma ferramenta democrática na busca de uma sociedade melhor, mais justa e igualitária.

Umberto Oliveira

Bacharel em História pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content