Terceira Revolução Industrial – O que é? Principais Inovações e Consequências

A Revolução Industrial, surgida na Europa entre os séculos XVIII e XIX, é conhecida como um conjunto de mudanças, cuja principal característica foi a substituição dos processos de produção, até então essencialmente artesanais, por processos mecânicos, possibilitada pelo surgimento de novas tecnologias. Esse processo de inovação continuou a se expandir, cada vez mais rápido, ao longo do século XX, dando origem às chamadas Segunda e Terceira Revolução Industrial.

A chamada Terceira Revolução Industrial, também conhecida como Revolução Digital, abrange um período que teve início após a Segunda Guerra Mundial, estendendo-se até os dias de hoje. É um momento fortemente marcado pelo alto desenvolvimento tecnológico e científico, com o surgimento de tecnologias que, até algumas décadas atrás, eram improváveis.

O que é a Terceira Revolução Industrial?

O avanço da tecnologia após o término da Segunda Guerra teve como base boa parte da tecnologia desenvolvida para o conflito, que passou, paulatinamente, a ser utilizada pela sociedade. O radar, por exemplo, foi essencial na evolução da aviação comercial civil, enquanto a energia atômica, quando utilizada para fins pacíficos, possibilitou a produção de eletricidade (com o surgimento das usinas termoelétricas) e o desenvolvimento de equipamentos médicos utilizados na luta contra diversas doenças.

A Guerra Fria também foi outro fator que impulsionou o desenvolvimento da tecnologia aeroespacial, graças ao objetivo de norte-americanos e russos de chegar à Lua. Essa corrida espacial levou à elaboração de grandes foguetes e motores de propulsão, abrindo as portas para o amplo uso de satélites e de uma tecnologia essencial nos dias de hoje, o GPS.

Outro grande avanço foi o aperfeiçoamento da informática, com o surgimento dos computadores, permitindo o desenvolvimento também da automação industrial, internet e robótica. Os avanços nas áreas de comunicações e transportes permitiram um mundo mais globalizado, o que possibilitou a massificação dos produtos e o aumento na produção e nas relações comerciais entre diversos países do mundo.

No campo da medicina, tivemos o surgimento da biotecnologia e da genética, duas áreas que vêm transformando o mundo, permitindo o surgimento de novos medicamentos e de novas técnicas, encontrando a cura para algumas doenças e avançando bastante na luta contra outras, em um movimento que tem permitido ao ser humano viver mais e melhor.

Principais inovações

A partir da década de 50, nossa sociedade tem vivido uma intensa evolução tecnológica em praticamente várias áreas. Algumas das inovações mais importantes são:

  • Avanços na metalurgia e siderurgia, com a descoberta de novas ligas metálicas, mais leves e eficientes;
  • Surgimento da computação, dos computadores pessoais e da internet;
  • Automação no processo produtivo;
  • Uso da energia atômica para fins pacíficos, bem como outras formas de energia, como a eólica e a solar;
  • Grandes transformações nos meios de comunicação, como rádio, televisão e telefonia móvel;
  • Globalização econômica;
  • Avanços na medicina, com o desenvolvimento da biotecnologia e da engenharia genética;
  • Chegada do homem à Lua e o consequente surgimento de grandes foguetes, estações e ônibus espaciais, amplo desenvolvimento da astronomia, inúmeros satélites e órbita do planeta fornecendo informações que impactam diretamente a vida na Terra.

Consequências do processo de industrialização

Assim como as outras etapas da Revolução Industrial, a terceira acentuou ainda mais a evolução tecnológica humana, com avanços que podem ser vistos em praticamente todas as áreas e que propiciam uma maior qualidade de vida como um todo para nossa sociedade.

Os avanços também podem ser sentidos na área ambiental, com o despertar da consciência ecológica, o que tem levado grandes empresas a buscarem um desenvolvimento sustentável, por meio de uma produção que não afete o meio ambiente.

Por outro lado, os avanços tecnológicos continuam acentuando a precarização do trabalho, à medida que muitos empregados são substituídos por máquinas. Além disso, o trabalho está ficando cada vez mais especializado, exigindo um grau de instrução que a grande maioria das pessoas não tem acesso. Dessa forma, cria-se um mercado de empregos, cuja boa parte das vagas não é preenchida.

Também é preciso lembrar que o uso cada vez maior de combustíveis fósseis para alimentar as indústria tem poluído o planeta e degradando o meio ambiente, e que os recursos do planeta não são inesgotáveis. Portanto, é importantíssimo o investimento na elaboração e no uso de energias limpas, que permitam um ritmo de produção satisfatório e, ao mesmo tempo, não sufoquem a natureza.

Umberto Oliveira

Bacharel em História pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content