Crítica social – O que é? A literatura como crítica social

A crítica social é um elemento bastante comum da vida em sociedade. É a partir da percepção sobre o que acontece no mundo, bem como de suas análises, que surgem as posições críticas sobre determinada realidade. Essa crítica pode ser feita na academia – por meio de estudos, reflexões e afirmações feitas por especialistas -, mas também pelas pessoas comuns, a partir de suas observações e sua vivência do cotidiano.

Neste artigo, vamos compreender mais a fundo o que é e como funciona a crítica social e como esse processo se dá no Brasil. Também, abordaremos um aspecto em que a crítica social é muito usada. Trata-se da literatura, uma ferramenta poderosa de contestação e transformação. Confira essas e outras informações importantes só aqui, no Gestão Educacional!

O que é crítica social?

A crítica social costuma estar conectada aos problemas sociais que ocorrem em determinado lugar e que levam as pessoas a buscar soluções para resolver a situação. Em geral, os alvos da crítica social são a pobreza e a miséria, as desigualdades sociais e econômicas, as questões culturais, entre outros. Aspectos morais normalmente estão ligados à crítica social, que costuma estar acompanhada de um tom de denúncia ou mesmo de descobrimento em relação ao ocorrido.

Um autor que trabalhou sobre o tema da crítica social é o filósofo estadunidense Michael Walzer. Para ele, a crítica social é um aspecto da moralidade cotidiana. Na tese de doutorado O comunitarismo de Michael Walzer e as interfaces com a educação, Valdy José Godoy Junior cita Walzer e coloca que o crítico social não é apenas uma pessoa da comunidade que observa distantemente sobre o que ocorre naquele universo. Inclusive, Walzer critica aqueles que buscam se afastar da realidade para fazer a análise.

“A crítica desconectada e seus princípios descobertos ou inventados acabam, na opinião de Walzer, transformando-se em práticas ‘compulsivas’ e de ‘manipulação’. Ela não se origina prioritariamente da abstração filosófica, mas daquilo que escutamos, vemos, sentimos. Não há, dessa maneira, um momento privilegiado em que nos tornamos críticos, isso acontece naturalmente quando passamos a importar-nos com a vida corrente das pessoas próximas a nós”, escreve Valdy Junior.

Além de estar próximo às pessoas e demonstrar conexão com a comunidade, o crítico social precisa também mostrar as aparências falsas de seu povo, estimular que as pessoas se expressem de maneira espontânea sobre aquilo que não está de acordo e insistir na possibilidade de haver outras falsas aparências, assim como outras esperanças e realizações. “O crítico social conectado deve estar à espera para, a qualquer momento, ouvir, perceber e tentar interpretar as angústias daqueles pelos quais se sente responsável”.

A literatura como crítica social

A crítica social já foi muito utilizada como ferramenta na literatura, que por muito tempo se ocupou dessa temática em suas linhas. Uma longa discussão permeou parte do século XX no meio acadêmico e entre os intelectuais a respeito dos rumos da literatura, se deveria focar apenas no ponto de vista da estética ou se deveria se levantar para denunciar as mazelas sociais.

Esse debate se intensificou em um contexto de Guerra Fria e antagonismo entre capitalismo e socialismo, com intelectuais e escritores pendendo para lados opostos dessa luta.

Atualmente, esse embate parece mais distante, embora a crítica social ainda esteja presente em muitas obras culturais. Em especial no Brasil, muitos escritores seguem incorporando a crítica social como elemento importante em suas obras, ressaltando comportamentos questionáveis e vários problemas sociais que acentuam a desigualdade e impedem o desenvolvimento pleno do país.

É a partir da literatura que novas perguntas surgem, buscando entender o que ocorre, além de tentar desnudar os fenômenos atuais, por meio da denúncia dos problemas, e levar sempre à conscientização dos indivíduos.

Conclusão

Em resumo, a crítica social pode ser feita por todos, não apenas pela academia ou por especialistas. Todos podem observar o seu meio e denunciar os problemas ou fazer observações a respeito da sua comunidade.

A crítica social tem poder de transformar realidades e, em comunhão com ações e práticas, pode produzir efeitos positivos. Nesse sentido, a literatura pode ser um grande canal para levar a crítica para mais pessoas e potencializar os resultados.

Como se vê, a crítica social pode ser um instrumento poderoso para quebrar certezas absolutas.

Rodrigo Herrero Lopes

Jornalista com 15 anos de experiência, é mestre em América Latina pela Universidade de São Paulo (USP) na linha de pesquisa Práticas Políticas e Relações Internacionais.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content