Fome – O que é? Números, Estatísticas, Causas e Impactos

A fome é um problema grave que, apesar do avanço das tecnologias e do progresso em muitas partes do planeta, assola uma parcela significativa da população, que não tem acesso a alimentos pelos mais diversos motivos.

O problema é sério, tanto que há muitas instituições que participam de projetos humanitários visando erradicar a fome, e o assunto já até foi tema da Conferência Rio+20 das Nações Unidas, em 2012, sendo colocado como um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Nesse artigo, vamos conhecer os números que mostram quantas pessoas sofrem desse mal atualmente, entender as causas desse problema e as consequências que a insegurança alimentar pode causar nos indivíduos.

Números da fome

A fome no mundo tem afligido cada vez mais pessoas nos últimos anos. Dados das Organizações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO, na sigla em inglês) demonstraram um acréscimo de indivíduos sofrendo desse mal no mundo. Se em 2016 havia 815 milhões de indivíduos passando fome, em 2017, dado mais recente, esse número saltou para 821 milhões. Em um recorte novo do estudo, na América Latina e no Caribe foi registrado um acréscimo de 400 mil pessoas passando fome, atingindo um total de 39,3 milhões de indivíduos.

Há ainda um outro dado bastante alarmante. Levantamento da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e do Programa Mundial de Alimentos (PMA) evidenciou que, em 2017, 113 milhões de pessoas de 53 países tiveram segurança alimentar aguda. O número representa uma queda em relação aos 124 milhões de 2017, mas ainda assim é um quadro aterrador.

Fome aguda caracteriza-se quando a falta de capacidade da pessoa de se alimentar coloca a sua vida em risco imediato ou de seus meios de subsistência.

Causas da fome

A própria FAO aponta algumas das razões para o avanço da fome no mundo. Um dos principais problemas está relacionado às crises econômicas, que se agudizam no planeta pelo menos desde 2008, ainda que alguns países apresentem alguma melhora nessa última década. Os conflitos armados, em especial nas regiões da África e do Oriente Médio, têm contribuído para o agravamento desse problema.

Há também as variações do clima e os fenômenos naturais considerados extremos, como enchentes e secas, que prejudicam as populações em insegurança alimentar. As alterações provocadas no padrão de chuvas, com o começo tardio ou precoce das temporadas de precipitações, bem como a distribuição irregular durante todo o período também trouxeram problemas, já que afetaram as plantações, das quais muitos dependem para se alimentar e também trabalhar.

Outro problema é a deficiência na distribuição dos alimentos, já que o que se produz no mundo hoje seria suficiente para alimentar a todos e erradicar a fome de uma vez por todas. Isso ocorre em especial em países em desenvolvimento e em áreas rurais que possuem difícil acesso aos centros urbanos, além de estrutura precária.

Impacto da fome

A fome causa estrago nas famílias, cujas vítimas são especialmente as crianças até cinco anos, as grávidas e em período de amamentação. Isso sem falar, claro, do prejuízo ao desenvolvimento das crianças e dos adolescentes, bem como na dificuldade ainda maior que é para o adulto trabalhar em condições sérias de saúde.

Para entender melhor um pouco como a fome afeta o nosso organismo, vamos resumir em alguns pontos a seguir:

  • Redução na capacidade de fazer atividade física: muitas pessoas em países mais pobres só têm a sua força de trabalho para oferecer e ganhar dinheiro para comprar alimentos. Mas, sem comida, a sua força diminui, o que pode agravar ainda mais a sua parca condição econômica;
  • Prejuízo do desenvolvimento físico e mental: como já mencionado, a subnutrição afeta o crescimento infantil, prejudica as habilidades cognitivas e reduz o desempenho na escola. Em outra parte do processo, muitas crianças deixam a escola para trabalhar, trazendo prejuízos para a educação no futuro;
  • Problemas para a saúde: ao longo do tempo, aumentam-se as chances de a pessoa desenvolver doenças e morrer prematuramente devido à alimentação deficiente. Além disso, tais problemas podem ser transmitidos para as gerações seguintes, já que bebês de mães desnutridas já vão ter baixo peso e sentir falta de nutrientes importantes para o corpo.

Conclusão

Diante do exposto fica claro que a fome é uma questão de saúde pública, que deve ser encarada de frente pelo Estado, adotando ações que combatam esse problema e que possam emancipar os cidadãos, para que não dependam de circunstâncias ou de auxílios esporádicos para sobreviver.

A fome impede que o indivíduo e sua família saiam da pobreza, o que afeta o próprio desenvolvimento da sociedade. Portanto, além de ser um problema individual, trata-se de uma questão que envolve a todos e que necessita justamente de uma participação maior das pessoas e de uma cobrança junto aos poderes instituídos para que isso seja combatido de fato.

Rodrigo Herrero Lopes

Jornalista com 15 anos de experiência, é mestre em América Latina pela Universidade de São Paulo (USP) na linha de pesquisa Práticas Políticas e Relações Internacionais.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content