História Medieval – O que é? Principais eventos e Datas

História Medieval é a disciplina histórica que se dedica a estudar um dos recortes temporais mais complexos da história europeia: a Idade Média.

A Idade Média é um período cercado de polêmicas. Situada entre o período antigo, marcado pelas civilizações Grega e Romana, e a Idade Moderna, marcada, entre outros fatos, pelo Renascimento, o período medieval foi por muito tempo conhecido como a “Idade das Trevas” por ser associado, de forma errônea, com um período de estagnação cultural, visão que, atualmente, já está ultrapassada.

Por meio de uma análise crítica, o historiador busca discutir e compreender os processos de formação social, econômica, política e cultural que tiveram lugar na Europa entre os séculos V e XV. E mais, busca identificar o lugar da religião dentro desse processo, uma vez que, durante o período, o poder da Igreja rivalizou com o poder dos reis.

O que foi a Idade Média?

Idade Média foi um período histórico situado entre as Idades Antiga e Moderna. É marcado pelo fim do Império Romano (476 d.C.) e pela conquista de Constantinopla pelos Turcos-otomanos, evento que marca o fim do Império Bizantino (1453 d.C.).

Por se tratar de um longo período, e no sentido de facilitar seu estudo, a Idade Média é, normalmente, dividida entre Alta Idade Média, que vai de 476 até aproximadamente o ano 1.000 d.C., e Baixa Idade Média, que vai até 1453 d.C., embora alguns historiadores possam adotar outras classificações e datas.

Existe, ainda, uma terceira periodização, com a qual muitos historiadores têm trabalhado: a Antiguidade Tardia. Esse período, que vai de aproximadamente 300 a 800 d.C. A Antiguidade Tardia propõe o estudo de um período que serve de transição entre a Antiguidade e a Idade Média propriamente dita, com o objetivo de compreender melhor quais as continuidades e rupturas entre os dois períodos.

O termo Idade Média

O primeiro estudioso a dividir a história europeia em Antiga, Medieval e Moderna foi o italiano Leonardo Bruni, em 1442. A divisão, porém, só se tornaria usual e padronizada a partir das obras do alemão Cristoph Cellarius, no século XVII. O período foi chamado de Medieval justamente por estar no meio do período antigo e do moderno.

Pontos chave da História Medieval

Como já dito, o historiador busca compreender os processos sociais, econômicos, políticos e culturais presentes na Idade Média. Além disso, é vital estudar os pontos chave daquele período, tais como:

Migrações

O final do Império Romano foi marcado por uma intensa movimentação de povos germânicos adentrando os limites do império. Hora caracterizadas como migrações, hora como invasões, essas movimentações colocaram dentro do território romano um grande número de tribos que se aproveitaram do vácuo de poder deixado pelo enfraquecimento do império (e seu posterior final) para se fixar e fundar reinos próprios.

Dentre esses povos, podemos citar o Reino Franco, embrião da futura França, o Reino Visigodo, embrião da futura Espanha, Reino Suevo, que contribuiu para a formação de Portugal, e os inúmeros reinos Anglos e Saxões, com contribuição decisiva para a formação da futura Inglaterra.

Feudalismo

Uma das principais características desse período é o surgimento do chamado Feudalismo, caracterizado pela descentralização de poder dos grandes senhores, pelo trabalho servil e pela economia baseada na agricultura de subsistência e na troca de mercadorias.

A sociedade feudal era formada por três estamentos principais: os nobres, o clero e os servos. A mudança de classe era rara embora fosse possível. A principal relação se dava entre o suserano, os nobres donos das terras, e os vassalos, homens que juravam fidelidade ao suserano em troca de proteção e trabalho.

Importante lembrar que o Feudalismo não foi um evento homogêneo que se deu ao mesmo tempo em toda a Europa. Ao contrário, seu estabelecimento ocorreu ao longo dos séculos, em épocas e locais diferentes, e com algumas características distintas, dependendo do local.

Crescimento do poder da Igreja

A Igreja Católica, que surgiu como um pequeno grupo durante o Império Romano, emerge no período medieval como uma das principais forças, interferindo nas decisões políticas e estabelecendo padrões de comportamento.

A influência da religião era imensa tanto no plano espiritual (poder religioso) como também no plano material, à medida que se transformou em grande proprietária de terras, a principal fonte de riqueza e poder político.

Por outro lado, os monges tiveram papel fundamental na preservação de boa parte do conhecimento das civilizações clássicas, graças à prática de copiar e guardar documentos antigos, sem os quais muito do que sabemos hoje sobre o mundo antigo, sobretudo sobre a Grécia, estaria perdido.

Conclusão

Os padrões sociais e culturais que dão base ao mundo moderno têm sua origem durante a Idade Média. Portanto, estudar e compreender o período medieval é um passo importante para compreender o mundo em que vivemos, inclusive no Brasil, que ainda carrega muitas tradições de origem portuguesa que, de fato, tem sua origem na Idade Média.

Referências utilizadas neste conteúdo: Le Goff, Jaques. As raízes medievais da Europa. Editora Vozes. 2006.Wickham, Christopher. Medieval Europe. Yale University Press. 2016.
Bacharel em História pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Deixe seu comentário