Inquisição – O que foi? Medieval, Espanhola e Torturas

A Inquisição foi um movimento ocorrido dentro da Igreja Católica, com o objetivo de identificar, julgar e punir, por meio de tribunais, as chamadas heresias. Ou seja, atos ou ideias contrárias àqueles defendidas pela Igreja Católica.

Teve início no século XI, na França, estendendo-se por vários países. Ao longo de seus oito séculos de duração, deixou um saldo trágico de perseguições, torturas e mortes.

Confira mais a respeito deste período da história mundial, neste conteúdo completo do Gestão Educacional!

Inquisição

Contexto da inquisição

O Concílio de Nicéia, ocorrido em 325 a.C., estabeleceu boa parte dos cânones da religião católica, ou seja, quais livros e quais ideias eram válidos. Ainda assim, era comum o surgimento de vertentes que se mostravam contrárias às determinações da Igreja em algum ponto.

Ao longo da Idade Média, a Igreja teve que se deparar e lidar com vários movimentos desse tipo. O Arianismo, o Ebionismo e o Pelagianismo, entre outros, são exemplos de movimentos considerados hereges e que demandaram grande esforço da Igreja para serem debelados.

A partir do século XI, a instituição religiosa adotou uma postura mais dura, no sentido de impedir novos movimentos desse tipo. O primeiro tribunal de inquisição de que se tem notícia ocorreu em 1022, na cidade francesa de Orleans, embora os tribunais só tenham se tornado oficiais a partir de 1233, por meio de uma bula expedida pelo papa Gregório IX.

Os cátaros

O Catarismo foi um movimento religioso cristão que surgiu dentro do Império Bizantino, espalhando-se por várias regiões da Europa. Esse movimento teve grande acolhida na cidade de Albi, no Languedoc, sul da França, motivo pela qual também ficaram conhecidos como albigenses. A partir de Albi, o movimento tomou força, espalhando-se rapidamente pela região e chamando a atenção da Igreja Católica.

Os cátaros acreditavam na existência de dois deuses, um bom e outro mal. O deus bom era o deus do Novo Testamento e criador do reino espiritual, enquanto o deus mal era o presente no Antigo Testamento, criador do mundo físico e de todo o mal existente.

Acreditavam, também, que as almas humanas eram almas angelicais encarnadas, presas dentro do corpo físico.

Após uma tentativa frustrada de resolver a questão diplomaticamente, o papa Inocêncio III convocou a Cruzada Albigense, um grande contingente militar formado por vários nobres, com o objetivo de acabar com os cátaros. O conflito durou de 1209 a 1244, e opôs parte da nobreza ligada ao rei da França e aos nobres do Languedoc. Ao final do conflito, milhares de pessoas haviam sido mortas, e o catarismo praticamente extinto na região.

[VEJA TAMBÉM: O QUE FORAM AS CRUZADAS?]

Inquisição

Os valdenses

Outro grande movimento considerado herético pela igreja. Os valdenses eram os seguidores de Pedro Valdo, um rico comerciante de Lyon que doou todas as suas posses e passou a pregar a pobreza e caridade. Ainda, segundo ele, qualquer pessoa podia pregar, e não apenas os sacerdotes.

O movimento se espalhou pela Europa, sobretudo pelo norte da Itália. Em 1184, Pedro Valdo foi excomungado pelo papa, e as perseguições começaram. Por mais de 500 anos os valdenses foram perseguidos, com mais ou menos intensidade, em vários países, incluindo o grande massacre em Piemonte, Itália, em 1655.

A inquisição espanhola

De todos os países em que a inquisição esteve presente, a espanhola é a mais conhecida, e tida como a mais violenta. Iniciada em 1478, a pedido de Fernando II de Aragão e Isabel de Castela, a inquisição espanhola teve papel atuante principalmente na tentativa de converter à força judeus e muçulmanos ao catolicismo.

O escolhido para chefiar a inquisição na Espanha foi o frade Tomás de Torquemada, confessor de Isabel de Castela. Durante sua duração, a inquisição na Espanha foi responsável por milhares de mortes e conversões forçadas.

Métodos da inquisição

Quando uma pessoa era acusada de heresia, cabia a ela provar sua inocência. Se não conseguisse, poderia confessar sua culpa e ser perdoado, desde que denunciasse outro herege.

Essa prática criou uma verdadeira febre de denúncias, muitas delas falsas. Muitas pessoas denunciavam outras das quais tinham alguma diferença ou algum desentendimento. Nesse sentido, as mulheres foram grandes vítimas dos inquisidores, sendo acusadas de bruxaria ou associação ao demônio.

Quando o acusado não confessava a heresia, sua confissão era forçada com diversos tipos de tortura. Por fim, o herege era condenado à morte, que, na maior parte, acontecia na fogueira em praça pública.

Inquisição

Conclusão

A Inquisição só terminou oficialmente no século XIX. Sua intensidade e violência variou de época em época. Ela foi, antes de tudo, um instrumento de poder da Igreja Católica, que buscou, com ela, se sobrepor a todas as outras vertentes religiosas. E também aos nobres, que a utilizaram para atacar adversários ou conseguir vantagens.

Os números a respeito das mortes desse período são obscuros, mas, de fato, a Inquisição pode ser considerada o episódio mais infelizes da história do catolicismo.


Referências utilizadas neste conteúdo:

Anita Novinsky e MAria Luiza Tucci Carneiro (org). Inquisição. Ensaios sobre Mentalidades, Heresias e Arte. Editora Expressão e Cultura. Universidade de São Paulo. 1992.
Gonzaga, João Bernardo. A Inquisição em seu mundo. Editora Saraiva. 1994.


Umberto Oliveira

Umberto Oliveira

Bacharel em História pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Conheça Mais Sobre o Autor

Ajude a melhorar ainda mais o site, avalie:

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...

Leave a Reply