Pretérito perfeito – O que é? Regras de formação e Exemplos

O pretérito perfeito é um dos tempos verbais da língua portuguesa. Na sua forma simples, existe apenas no modo indicativo. Já na forma composta, pode existir tanto no modo indicativo quanto no modo subjuntivo.

Confira tudo a respeito deste tempo verbal neste artigo completo do Gestão Educacional!

Pretérito perfeito simples do indicativo

Diferentemente do pretérito imperfeito simples, que pode ser tanto do indicativo quanto do subjuntivo, o pretérito perfeito simples existe apenas no modo indicativo. Ele ser do “pretérito” indica que a ação aconteceu num momento anterior ao instante da fala, ou seja, no passado. Ele ser “perfeito” indica que a ação começou no passado e foi finalizada no passado (ao contrário do pretérito imperfeito, em que a ação não foi concluída). Ser do “indicativo” indica que a ação certamente aconteceu ou tem chances reais de ter acontecido (ao contrário do subjuntivo, em que não se há a certeza de que a ação ocorreu ou não).

Ou seja, o pretérito perfeito do indicativo expressa uma ação que certamente começou e terminou no passado (em relação ao momento em que se fala). Confira alguns exemplos:

(1) Ano passado, eu viajei para a Europa.

(2) Ontem, encontrei a Jéssica no supermercado.

Perceba que, nesses dois exemplos, a ação do verbo destacado começou num momento anterior ao da fala e terminou num momento também anterior ao da fala. No exemplo (1), a viagem à Europa iniciou e foi concluída no passado, não perdurando até o momento da enunciação da oração. O mesmo vale para o exemplo (2), em que o sujeito encontrou Jéssica no mercado num momento anterior ao da fala, também não perdurando até ao instante em que proferiu a oração.

Seria diferente, por exemplo, se alguém dissesse:

(3) Eu viajava para a Europa quando tive o meu visto confiscado.

Neste exemplo (3), o verbo destacado encontra-se no pretérito imperfeito, que indica uma ação que começou no passado, mas que, por alguma razão, não chegou a ser concluída (nesse caso, porque o visto do sujeito foi confiscado). Essa é a principal diferença entre o pretérito perfeito e o pretérito imperfeito.

Isso, entretanto, diz respeito ao pretérito perfeito simples, em que há a presença de apenas um verbo. No pretérito perfeito composto, o sentido muda um pouco.

Pretérito perfeito composto (do indicativo e do subjuntivo)

No pretérito composto, há a utilização de dois verbos: um principal e um auxiliar. O verbo principal está na forma do particípio, enquanto o verbo auxiliar é necessariamente o verbo “ter” (ou “haver”, embora menos frequente) conjugado no presente do indicativo, ou seja, “tenho” e suas variações. Confira um exemplo:

(4) Eu tenho estudado todos os dias.

Em (4), o sentido não é o de uma ação que começou e foi finalizada no passado. Isso porque o pretérito perfeito composto indica uma ação que começou no passado, mas que perdura até o momento em que se fala. No exemplo em questão, compreendemos que o sujeito começou a estudar num momento anterior ao instante da enunciação, permanecendo estudando desde então, até o momento em que proferiu a oração. E sabemos que o sujeito realmente tem estudado todos os dias, não havendo dúvidas quanto a isso. Trata-se, portanto, de um exemplo do chamado pretérito perfeito composto do indicativo.

A forma composta, entretanto, também permite a formação do chamado pretérito perfeito composto do subjuntivo. Ele é criado a partir da junção do presente do subjuntivo do verbo “ter” (ou “haver”, embora menos frequente), ou seja, “tenha” e suas variações. Confira um exemplo:

(5) Espero que tu não tenhas terminado com sua namorada.

Perceba que, neste exemplo (5), o verbo não expressa uma certeza, mas cogita uma possibilidade, ou seja, algo que pode ou não ter acontecido num tempo passado. Essa é uma das características do modo subjuntivo: não expressar certeza, mas dúvida ou desejo; neste exemplo, mais desejo que dúvida.

Regras para a formação do pretérito perfeito com verbos regulares

Diferente do que ocorre com os verbos irregulares e anômalos, os chamados verbos regulares possuem uma forma recorrente para suas conjugações, sendo divididos em:

  • 1ª conjugação: verbos que possuem a vogal temática -a-:
    • Pegar, almoçar, ligar;
  • 2ª conjugação: verbos que possuem a vogal temática -e-:
    • Beber, escolher, ceder;
  • 3ª conjugação: verbos que possuem a vogal temática -i-:
    • Dirigir, falir, ferir.

São as seguintes as regras para se formar o pretérito perfeito:

  • Pretérito perfeito simples do indicativo
    • 1ª conjugação

Eu           radical + ei                        U+2192.svg        Eu and + ei

Tu           radical + aste                    U+2192.svg          Tu and + aste

Ele          radical + ou                      U+2192.svg          Ele and + ou

Nós        radical + amos                U+2192.svg       Nós and + amos

Vós        radical + astes                  U+2192.svg         Vós and + astes

Eles        radical + aram                U+2192.svg         Eles and + aram

    • 2ª conjugação

Eu           radical + i                          U+2192.svg           Eu com + i

Tu           radical + este                 U+2192.svg          Tu com + este

Ele          radical + eu                     U+2192.svg           Ele com + eu

Nós        radical + emos               U+2192.svg           Nós com + emos

Vós        radical + estes                U+2192.svg           Vós com + estes

Eles        radical + eram                U+2192.svg         Eles com + eram

    • 3ª conjugação

Eu           radical + i                      U+2192.svg         Eu part + i

Tu           radical + iste                U+2192.svg          Tu part + iste

Ele          radical + iu                    U+2192.svg          Ele part + iu

Nós        radical + imos               U+2192.svg          Nós part + imos

Vós        radical + istes                U+2192.svg          Vós part + istes

Eles        radical + iram              U+2192.svg          Eles part + iram

  • Pretérito perfeito composto do indicativo

Eu      tenho + particípio do verbo principal   U+2192.svg          Eu tenho + estudado

Tu       tens + particípio do verbo principal      U+2192.svg         Tu tens + estudado

Ele      tem + particípio do verbo principal       U+2192.svg          Ele tem + estudado

Nós    temos + particípio do verbo principal  U+2192.svg           Nós temos + estudado

Vós    tendes + particípio do verbo principal  U+2192.svg          Vós tendes + estudado

Eles   têm + particípio do verbo principal      U+2192.svg         Eles têm + estudado

  • Pretérito perfeito composto do subjuntivo

Que     eu          tenha + particípio do verbo principal            U+2192.svg         Que eu tenha + estudado

Que     tu           tenhas + particípio do verbo principal          U+2192.svg         Que tu tenhas + estudado

Que     ele         tenha + particípio do verbo principal             U+2192.svg         Que ele tenha + estudado

Que     nós        tenhamos + particípio do verbo principal    U+2192.svg          Que nós tenhamos + estudado

Que    vós         tenhais + particípio do verbo principal           U+2192.svg          Que vós tenhais + estudado

Que    eles       tenham + particípio do verbo principal          U+2192.svg        Que eles tenham + estudado

Alexandre Garcia Peres

Alexandre Garcia Peres, formado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), gosta de arte, literatura, língua portuguesa, poesia e do seu gato.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content