Cadeia Alimentar: o que é, como funciona e mais

Uma Cadeia alimentar pode ser definida como a relação de alimentação entre os diferentes organismos que compõem o ecossistema. Um ecossistema é uma comuna de seres vivos que inclui os componentes não vivos, como terra, água, fogo, ar e éter.

Dentro do ambiente, os componentes vivos, ou bióticos, precisam de alimento para sobreviver. Do unicelular ao multicelular, das algas unicelulares às baleias azuis gigantes, a comida é a necessidade universal. Alimentos na forma de energia são uma necessidade comum, sendo o requisito mais importante.

O método de obtenção de alimentos segue uma série sistemática de interdependência, em que uma determinada corrida depende de outra. O sistema assim formado, por meio de sucessivas corridas, constitui uma Cadeia alimentar, sendo que o ambiente é composto de uma infinidade de organismos com seus diferentes níveis de exigência de energia.

A Cadeia alimentar é um sistema usado para transmitir energia de um nível para o outro e exibe, basicamente, o método de aquisição de alimentosos e requisitos de energia, que são passados ​​de criatura para criatura – uma série de organismos, cada um dependente do próximo como fonte de alimento.

Só quem já deixou um pedaço de pizza em cima da mesa e minutos depois a encontrou lotada de formigas sabe a sensação de desejar com todas as forças que um animal desaparecesse da face da Terra. Mas, acredite, você não vai querer que isso aconteça.

Cadeia Alimentar: o que é, como funciona e mais.

Formigas, baratas voadoras, pombos, capivaras, ursos e seres humanos possuem uma relação muito maior do que se possa imaginar. Você pode até pensar que não possui nada em comum com um artrópode tão asqueroso quanto uma barata, mas o simples fato de estarem vivos faz uma enorme diferença. Todos fazem parte de algum tipo de cadeia alimentar.

Seres vivos, sejam eles fungos, bactérias, répteis ou, até mesmo, aquela sua vizinha fofoqueira, precisam de energia para viver. Plantas possuem a capacidade de sintetizar seu próprio alimento por meio de um pouco de água e luz solar pelo processo de fotossíntese.

Entretanto, o resto dos seres vivos não nasceu com uma habilidade tão útil como essa e precisam comer para satisfazer as suas necessidades energéticas e manterem-se vivos na luta pela sobrevivência.

Agora, pense e responda: o que foi que você comeu ontem? Talvez um pouco de salada de alface e tomate. Ambos os alimentos possuem reservas de energia obtidas pela fotossíntese, que então foi passada para você poder trabalhar animado após o almoço.

Caso não ache a salada muito atraente, talvez tenha comido um belo bife acebolado. Nesse caso, a vaca que morreu para que você obtivesse energia cresceu alimentando-se de capim, que, por sua vez, obtinha energia pela fotossíntese.

E que tal aquela bela carne de pato no fim de semana? Enquanto vivo, o pato obtém parte de sua energia comendo pequenos insetos. A grande maioria deles se alimenta de plantas, que realizam a fotossíntese.

Perceba que há uma relação entre a sobrevivência de diferentes tipos de animais e a sua alimentação. Cada ser vivo obtém a energia necessária para manter-se vivo, por meio de plantas ou de outros animais. Essa transferência de energia recebe o nome de cadeia alimentar.

Os seres vivos que constituem uma cadeia alimentar são divididos em três níveis:

  • Produtores: aqueles que sintetizam seu próprio alimento, como as plantas em geral;
  • Consumidores: todos os seres que obtém seu alimento a partir de outros seres vivos, sejam estes plantas ou animais;
  • Decompositores: são os fungos, as bactérias e os protozoários, que se alimentam de matéria orgânica, de forma a “reciclar todo o lixo” da natureza deixado pelos consumidores.

Cadáveres, excrementos e restos de plantas fazem parte do cardápio dos decompositores, que devolvem boa parte dos nutrientes de seu alimento de volta ao solo, a fim de serem consumidos novamente pelos produtores. Dessa forma, quando um ser humano morre, será decomposto e sua energia voltará para a terra para servir novamente ao ciclo da vida por outros animais.

Leões comem zebras. Zebras comem capim. Quando um leão morre, sua matéria é decomposta e volta ao solo para servir de alimento para as plantas, que serão comidas por novas zebras, que serão comidas por novos leões. Cadeias alimentares parecem ser extremamente simples, mas são uma relação muito mais complexa do que imaginamos.

Imagine que apenas um dos seres dessa cadeia seja extinto. O que acontecerá com os outros? Bom, o resultado é que tudo irá desaparecer. Se não há capim, não há zebras e, consequentemente, não há leões. Se não há leões, as zebras se reproduzirão freneticamente até o ponto de não haver capim suficiente para todas, que morrerão por falta de alimento.

Cada indivíduo de uma cadeia alimentar é extremamente importante na manutenção do equilíbrio do meio onde vivem, pois tudo na natureza está em uma constante troca de energia e matéria orgânica.

Tecnicamente falando – Como é o sistema?

Cadeia Alimentar: o que é, como funciona e mais.

O sistema descreve quem é o predador e quem é a presa na natureza. Um herbívoro come a grama e, por sua vez, é consumido por um carnívoro. Quando esse carnívoro morre, ele se deteriora, sendo dividido por bactérias, e retornando ao solo.

Uma Cadeia alimentar sempre começa com uma planta e termina com um animal, isso porque as plantas são produtoras, produzem seus próprios alimentos por meio do processo de fotossíntese. Os animais se alimentam de plantas e são consumidores, porque não podem fazer seus próprios alimentos.

Começa a partir da base, que consiste em organismo produtor e sobe a série em linha reta. Os níveis sucessivos são conhecidos como tróficos. O nível trófico de qualquer organismo vivo é determinado pela posição que ele ocupa na cadeia.

Produtores primários

O nível primário ou básico é formado pelos autotróficos. São organismos capazes de produzir seus próprios alimentos a partir de substâncias, como o dióxido de carbono, e transformá-las em energia com a ajuda da luz do sol. Estes são plantas e algas. Eles não consomem outros organismos, mas extraem nutrientes do solo ou do oceano e, pelo processo de fotossíntese, fabricam seus próprios alimentos.

Consumidores primários

Organismos heterotróficos ou aqueles que se alimentam no primeiro nível trófico, a biomassa autotrófica, formam o segundo nível. Eles são os herbívoros e incluem crustáceos que se alimentam das células microscópicas de algas das águas superficiais de lagos, lagoas e oceanos, bem como herbívoros mamíferos maiores, como camundongos, veados, vacas e elefantes.

Os herbívoros utilizam a energia fixa e os nutrientes em sua alimentação de biomassa autotrófica para impulsionar seus próprios processos metabólicos e alcançar seu próprio crescimento.

Consumidores secundários

O próximo elo são os animais que comem herbívoros – esses são chamados de consumidores secundários. Um exemplo é uma cobra que come coelhos.

Consumidores terciários

Os carnívoros que consomem outros carnívoros são chamados de consumidores terciários, como as baleias assassinas. Baleias caçam focas e leões marinhos, e estes são carnívoros que matam peixes, lulas e polvos.

Consumidores quaternários

Eles são tipicamente animais carnívoros que comem consumidores terciários. Também conhecido como ápice predador, predador alfa ou predador apical, eles residem no topo de uma cadeia alimentar.

Decompositores

Os decompositores quebram plantas e animais mortos. Eles também quebram o desperdício de outros organismos e são elementos importantes, pois mantêm um fluxo contínuo de nutrientes para os produtores primários. Sem os decompositores, as plantas seriam incapazes de obter energia e o ambiente seria preenchido com matéria morta e resíduos.


Ajude a melhorar ainda mais o site, avalie:

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...

Leave a Reply