Leão – Características, Comportamento, Habitat, Alimentação, Reprodução

Depois do tigre, o leão (Panthera leo) é o segundo maior felino. Pertencente à família Felidae, como os gatos domésticos, o leão é conhecido como rei da selva ou rei das feras. Originalmente, sua distribuição correspondia à Europa, Ásia e África. No entanto, hoje em dia, ele é encontrado em partes da África do Sul. A Ásia possui uma população de aproximadamente 650 indivíduos, caracterizando uma subespécie.

Apesar de não possuir predadores naturais, o leão teve sua população reduzida em 40% da original, em função da perda de habitat e do conflito com humanos. Sua população está estimada em 20 mil indivíduos, e seu status de conservação é ‘Vulnerável (VU)’

Características físicas

Os leões são animais imponentes e musculosos. Apresentam um corpo longo, uma cabeça grande e umas pernas curtas. Contam com dimorfismo sexual, sendo que o macho apresenta uma juba característica da espécie.

A juba varia entre populações, podendo ser completamente ausente ou muito cheia, e ainda podendo cobrir parte do dorso, do pescoço e dos ombros. A coloração da juba também pode mudar, sendo em alguns indivíduos tem cor preta ou dourada. A função dessa estrutura é fazer os machos parecerem maiores para intimidar os rivais e impressionar as fêmeas.

Podem medir entre 1,35 metros e 2,1 metros de comprimento entre a cabeça e o corpo. A cauda é bem longa, medindo entre 0,8 a 1,2 metros. O peso pode variar entre 120 e 230 quilos.

Mas, as fêmeas são menores, medindo aproximadamente 1,5 metros e pesando até 180 quilos.

A coloração dos leões varia entre amarelo, alaranjado, marrom e cinza e marrom escuro. A ponta da cauda é geralmente mais escura do que o resto do corpo.

Comportamento

Entre os felinos, os leões são os únicos que vivem em grupos, chamados de alcateias. As alcateias consistem em grupos familiares que podem abranger até 3 machos e 12 ou mais fêmeas, mais os filhotes. Quando os filhotes se tornam jovens, eles saem dos grupos e vão procurar uma parceira para estabelecer uma nova alcateia.

Quando novos machos vencem uma competição e assumem uma alcateia, o novo macho mata os filhotes do macho alfa anterior, comportamento chamado de infanticídio. Quando fazem isso, as fêmeas entram no cio novamente e eles podem copular e gerar novos descendentes, agora com seus genes. As fêmeas tentam evitar esse comportamento se escondendo ou defendendo nos filhotes.

Os leões alfas de cada alcateia defendem o território, que pode abranger até 160 quilômetros quadrados de áreas abertas. A marcação do território é feita com urina e rugidos para alertar invasores. Além disso, se outro animal entra em seu território, os leões costumam afugentá-lo.

Ao contrário do esperado, são as fêmeas as principais caçadoras do grupo. Elas trabalham em conjunto para afugentar as presas. Como a maioria das presas são mais rápidas do que os felinos, o trabalho em equipe funciona para a predação. No entanto, se houver a oportunidade, os leões também podem caçar sozinhos.

Além disso, os leões podem também roubar presas mortas por cachorros selvagens ou hienas. Depois que a presa foi morta (ou roubada), há uma hierarquia a ser seguida para consumir a presa, sendo que os filhotes comem por último. Os leões jovens não ajudam na caça até completarem um ano de idade.

Habitat

Os leões habitam áreas abertas, com gramíneas, arbustos densos e savanas.

Alimentação

As principais presas dos leões são antílopes, zebras, gnus e outros grandes mamíferos, como elefantes e zebras, que ocorrem no habitat de savana. No entanto, para caçar esses animais maiores, é preciso que estes sejam indivíduos jovens ou doentes. Além disso, os leões podem consumir presas mortas recentemente.

Reprodução

Ambos os sexos são poligâmicos, mas, em geral, as fêmeas são de um ou dois machos. A reprodução pode ocorrer em qualquer época do ano. Apesar de conseguirem se reproduzir todos os anos em cativeiro, na natureza, os leões se reproduzem a cada dois anos.

Durante o período fértil, as fêmeas podem ser copuladas até 50 vezes em 24 horas, o que estimula a ovulação e garante a paternidade do macho, excluindo a competição. A gestação dura aproximadamente 108 dias, podendo gerar entre 1 e 6 filhotes.

Os recém-nascidos são cegos ao nascer, e possuem uma pelagem densa. O cuidado parental ocorre com maior intensidade até os 7 meses de idade e dura até os 2 anos. Quando completam 11 meses, os jovens podem ajudar na caça. Quando completam 3 anos de idade, os machos jovens são expulsos do grupo e se tornam nômades até conseguirem formar uma nova alcateia.

Bruna Manuele Campos

Bacharel e Licenciada em Ciências Biológicas pela USP (2016 e 2018), tem 25 anos e é apaixonada pela natureza e por explorar o mundo. Quando não está se aventurando por aí, gosta de aquietar as pernas com livros e séries.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content