Gregor Mendel – Quem foi? Biografia e Principais Obras

Muitas das leis e teorias que estudamos hoje nas áreas de ciências naturais foram desenvolvidas há muito tempo. No campo da genética, por exemplo, um dos pesquisadores de maior destaque é Gregor Mendel. Esse estudioso era também um botânico e monge, e desenvolveu suas pesquisas no quintal de um mosteiro na Áustria.

Mendel usou como seu objeto de estudo sobre hereditariedade as ervilhas que cultivava. O resultado de mais de dez anos de pesquisa lhe rendeu o nome de Pai da Genética, anos depois da publicação do seu trabalho.

Quem foi Gregor Mendel? Biografia

Gregor Johann Mendel nasceu em 1822 em Heinzendorf, na Áustria. De origem humilde, com pais camponeses, ele frequentou o ensino médio em Troppau, estimulado por um padre e amigo dos pais. Durante seus estudos, Mendel era um ótimo aluno e obteve notas máximas em todas as disciplinas, com exceção de Filosofia, sendo reconhecido pelos professores como um dos melhores alunos.

Quando se formou, iniciou os estudos no instituto de Filosofia de Ormütz. Com 21 anos, entrou para o Mosteiro Agostiniano de São Tomás, em Brünn, que hoje é a República Tcheca. Durante essa época, ele cursou um ano de Agricultura, e se interessou sobre o estudo do desenvolvimento de frutos, hereditariedade e jardinagem. Mendel foi ordenado padre e foi estudar em Viena em 1851.

Na Universidade de Viena, Mendel passou três anos estudando Ciências Naturais, Matemática e Física. Foi nesse momento que ele elaborou sua metodologia científica que o ajudou a desenvolver seu famoso projeto com ervilhas.

Apesar de não ter realizado os exames de licenciatura requeridos pela escola de “Oberrealschule em Brunn”, Mendel permaneceu como docente em função do seu interesse pela academia e pelo seu talento como professor. Anos depois, foi nomeado diretor da escola. Além disso, ele foi convidado para participar de sete sociedades científicas da época:

  • Sociedade Imperial-Real Morávia-Silésia (1850) para a promoção da agricultura e do reconhecimento da terra e da natureza;
  • Sociedade de Zoologia e Botânica da Áustria (1853);
  • Sociedade meteorológica da Áustria (1868);
  • Sociedade Apícola de Morávia (1870);
  • Sociedade de disseminação do conhecimento natural (1873);
  • Sociedade Alemã de Pomologia (1873);
  • Sociedade pomológica de Reutligen (1873).

Em 1856, Mendel iniciou a sua pesquisa com ervilhas, que envolverem pelo menos 118 cruzamentos. Ao final dos experimentos, o autor publicou o trabalho “Experimento em híbridos de plantas”, em 1865.

Depois disso, Mendel se tornou destaque nas áreas de meteorologia e apicultura, entre os anos de 1865 e 1878. Em Munique, ele ficou responsável pelo monitoramento dos níveis de água subterrânea por 14 anos. Além disso, no monastério, ele conseguiu aumentar o número de colmeias produtoras de mel.

Infelizmente, o reconhecimento sobre a importância dos trabalhos de Mendel só aconteceu 35 anos após a sua morte, durante o século XX. E só ocorreu porque três pesquisadores, independentemente, chegaram às mesmas conclusões que Mendel havia publicado há anos em seu trabalho com as ervilhas.

Desestimulado cientificamente e sobrecarregado com a administração do mosteiro, ele abandou a carreira científica em 1868. Em 1884, Johann Gregor Mendel faleceu por conta de uma doença renal, em Brünn na República Tcheca.

Principais obras

Dentre os principais legados desse monge e pesquisador, encontram-se as famosas Leis de Mendel. Seus trabalhos com ervilhas-de-cheiro, realizados no mosteiro, avaliaram como ocorria a hibridação de diferentes espécies de ervilhas. O resultado de 10 anos de pesquisa com 22 variedades diferentes, resultou nas leis relativas à hereditariedade.

Primeira lei de Mendel

A primeira lei define que os caracteres de cada indivíduo são condicionados por um par de fatores (que são chamados hoje de genes) e são separados durante a formação dos gametas.

Ou seja, ele descobriu que cada característica de um indivíduo, independente da espécie, é determinada por fatores que ocorrem aos pares por meio da reprodução sexuada.

Segunda lei de Mendel

A segunda lei, também conhecida como “Lei da Segregação Independente” defini que os fatores (genes) que determinam as características são estabelecidos de maneira independente durante a formação dos gametas. Ou seja, a cor da semente não está relacionada a seu tipo de textura, por exemplo.

Obras de Gregor Mendel

  • Experiências Sobre Híbridos das Plantas (1865);
  • Alguns Híbridos do Hieracium Obtidos por Fecundação Artificial (1869).

Referências utilizadas neste conteúdo:

https://cib.org.br/gregor-mendel/

Bruna Manuele Campos

Bacharel e Licenciada em Ciências Biológicas pela USP (2016 e 2018), tem 25 anos e é apaixonada pela natureza e por explorar o mundo. Quando não está se aventurando por aí, gosta de aquietar as pernas com livros e séries.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content