Imigração – O que é? Como ocorre? Causas, Tipos e Exemplos

O deslocamento de grupos humanos pelo globo é algo que sempre esteve presente em nossa história. A ideia de buscar outras terras, seja por necessidade de recursos, seja para fugir de quaisquer perigos, está no cerne de nossa essência enquanto seres humanos.

Dentro desse fenômeno conhecido como migração, temos um fenômeno menor, mais recente e estreitamente ligado, na maioria dos casos, a questões econômicas, a mola que impulsiona certos grupos a buscar melhores condições de vida. A esse fenômeno recente chamamos de imigração.

O que é imigração?

Considera-se como imigração a entrada de pessoas ou grandes grupos, de forma permanente ou temporária, e com a intenção de trabalho ou residência, de um país para outro.

Causas principais da imigração

As principais causas que levam pessoas a buscar uma vida melhor em outro país são:

  • Motivações econômicas: o principal motivo que impele uma pessoa a deixar seu local de origem em busca de mais oportunidades de emprego e melhores salários, com o objetivo de melhorar sua qualidade de vida;
  • Motivações políticas: em países afetados por graves crises políticas, sejam elas guerras, ditaduras, etc., costumam provocar imigrações em massa de pessoas tentando se afastar dessas áreas. Existem também as perseguições políticas, obrigando certos grupos a buscarem refúgio em outros países;
  • Culturais ou religiosas: preconceito, perseguição religiosa ou cultural também são causas pelas quais pessoas partem em busca de um lugar onde possam manter sua cultura e professar sua religião;
  • Causas naturais: locais atingidos por causas naturais, como excesso de frio ou de calor, escassez de recursos ou qualquer outro fator que dificulte a vida, bem como tragédias, como terremotos ou tsunamis, podem provocar uma migração em massa com pessoas dispostas a recomeçar a vida em outro lugar.

Exemplos

Imigração europeia

A Europa, muito conhecida por sua atual situação econômica privilegiada, vivia uma situação bem diferente no final do século XIX. Fome, desemprego e duras condições de vida em certas regiões castigavam a população europeia.

Além disso, os constantes conflitos bélicos travados entre as nações da Europa, quase sempre engajadas em alguma disputa, pioravam ainda mais aquele cenário.

Em contrapartida, países do continente americano, com suas economias e indústrias em expansão, necessitavam com urgência de mão de obra que pudesse suprir a demanda. Dessa forma, entre o último quarto do século XIX e o primeiro quarto do XX, milhares de europeus tentaram uma sorte melhor no Novo Mundo, em um fluxo que seguiu, mais ou menos, os seguintes destinos:

  • Italianos, que se estabeleceram principalmente para Estados Unidos, Brasil, Argentina, Uruguai;
  • Espanhóis, que se transferiram para Argentina, Chile, Brasil e Cuba;
  • Portugueses, que se fixaram nos Estados Unidos, Brasil, Canadá e Venezuela;
  • Alemães, que se dirigiram para Estados Unidos, Brasil, Argentina e Chile.

Além das nacionalidades acima citadas, cuja imigração foi em larga escala, outros grupos, em menor número, tais como russos, ucranianos, croatas e poloneses também partiram rumo à América. Muitas dessas pessoas iam para novos países já com ofertas de emprego, enquanto outras iam com não mais que alguns trocados, uma muda de roupa e muita esperança e vontade de vencer.

Imigração do Oriente Médio

Assim como os europeus, povos de origem árabe também emigraram em busca de melhores condições de vida. Palestinos, Sírios e Libaneses se dirigiam para Brasil, Argentina, Chile, Uruguai, Paraguai, entre outros, buscando trabalho nas grandes cidades.

Imigração para o Brasil

No final do século XIX, o Brasil abriu as portas para a chegada de imigrantes para suprir a falta de mão de obra ocasionada pelo fim da escravidão. Dessa forma, grandes levas de imigrantes europeus chegaram ao país buscando uma vida melhor.

Os japoneses, com suas apuradas técnicas agrícolas, também vieram em massa, sobretudo para o estado de São Paulo. Posteriormente, vieram também coreanos e chineses. Todos esses imigrantes trouxeram sua cultura (língua, gastronomia e costumes), contribuindo de forma significativa na formação do país.

Se o Brasil sempre foi um país recebedor de imigrantes, nos últimos anos temos visto um movimento contrário. Cada vez mais, pessoas têm buscado a vida no exterior, fugindo da violência ou das constantes crises econômicas que estão sempre afetando o país.

Na década de 90, houve um grande fluxo de brasileiros com destino aos Estados Unidos. Atualmente, esse fluxo tem se dirigido para a Europa, sobretudo, Portugal.

Umberto Oliveira

Bacharel em História pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content