Naturalismo: contexto histórico, principais autores e obras

O Naturalismo é a escola literária que vem após o Romantismo e acompanha o Realismo e o Parnasianismo, facilmente confundido com os dois. Teve influencias na arte no geral, pinturas, livros, poesia e muito mais.

Leia, aqui, informações completas sobre o Naturalismo, qual foi o contexto histórico influente, principais autores mundiais e nacionais, além de suas obras.

Naturalismo: Contexto Histórico

Naturalismo: contexto histórico, principais autores e obras

Teoria da Evolução, desenvolvida por Charles Darwin.

O Naturalismo, por ter surgido em conjunto com o Realismo, possui o mesmo contexto histórico, porém tem raízes mais voltadas para as descobertas científicas que permeavam a biologia, psicologia e sociologia da épocapara saber mais sobre o contexto histórico, clique aqui.

O movimento tem forte influencia na Teoria da Evolução de Charles Darwin, na qual se acreditava na seleção natural das espécies: o mais forte adaptava-se melhor e sobrevivia. Nesta época, a análise do ser humano estava em alta, principalmente os comportamentos patológicos, os desejos e as taras, com destaque para as tendências animalescas dos homens.

Além disso, é possível verificar fortes traços dos pensamentos socialista e positivista, que ganhavam espaço pela busca de direitos dos trabalhadores – os quais eram explorados pelo capitalismo brutal da época, devido à ascensão da Revolução Industrial.

Principais Características do Naturalismo

Naturalismo: contexto histórico, principais autores e obras

Os Comedores de Batata, quadro naturalista de Van Gogh.

O Naturalismo possui linguagem objetiva e abordagem dos humanos que agem de acordo com seus instintos, sendo comparados com animais – característica chamada de zoomorfização.

O movimento presa por fortes influencias Darwinistas, nas quais o homem não possui livre arbítrio, sendo guiado pela hereditariedade e pelo meio social em que vive. Também, há descrições minuciosas sobre os acontecimentos, explorando temas como: miséria, adultério, crimes e sexualidade desvelada – tudo isso sem se preocupar com o que o leitor pensaria.

Outro ponto importante é a vontade de mudança da sociedade nas obras, que, em conjunto com o engajamento literário, convence o leitor de ter o desejo recíproco.

Obras marcantes

Naturalismo: contexto histórico, principais autores e obras

Aluísio de Azevedo, principal representante do Naturalismo na literatura brasileira.

O nome mais importante do Naturalismo mundial foi Émile Zola, autor de O Romance experimental, lançado em 1880. Ele era simpatizante das teorias Darwinistas e comunistas. Porém, a obra que mais marcou o movimento de Zola foi Germinal.

O texto foi desenvolvido por um trabalho de profundidade do autor, que passou dois meses trabalhando como mineiro na extração de carvão. Ele sentiu na pele as condições precárias de vida e a exploração das fábricas, dando origem ao livro.

No Brasil, o marco inicial do movimento foi O Mulato, de Aluísio de Azevedo, tendo como tema principal o racismo. Do mesmo autor, merece destaque O Cortiço (1890), que conta a história de um cortiço repleto de indivíduos característicos da sociedade brasileira, mostrando a realidade da época e de seus personagens.

Os livros possuem enredo voltado para a realidade social brasileira, focando, principalmente, na Abolição da Escravidão. Também, merece atenção Adolfo Caminha, que consagrou seu nome como autor naturalista com a obra O Bom Crioulo, na qual o tema principal é o homossexualismo.

Diferença entre Naturalismo e Realismo

Mesmo que parecidos, é importante saber diferenciar um do outro: o Naturalismo traz a realidade de uma maneira mais radical, na qual o homem é fruto da natureza, quase que de uma maneira animal. Já no Realismo, há a representação do homem interagindo com o meio social em que vive.

Rafaela Mustefaga

Graduada em Letras Português/Inglês, pela PUCPR, é revisora e editora de textos informativos, apaixonada por línguas e literatura e professora nas horas vagas.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content