Sílaba – Abertas e Fechadas, Classificação, Regras e Sílabas Poéticas

Ao se pronunciar determinada palavra, a pessoa não o faz letra por letra, nem som por som. Pelo contrário, pronuncia-se a palavra dividindo-a em pequenos segmentos, em agrupamentos de fonemas. São a esses segmentos que chamamos sílabas.

Aprender a separação silábica é um dos mais importantes passos da alfabetização. Antes de aprender as palavras, propriamente ditas, as crianças aprendem, em sala de aula ou em casa, a escrita e leitura das sílabas, para só então relacioná-las em agrupamentos maiores (as palavras).Sílabas

Mas, mesmo elas sendo tão fundamentais assim, será que você sabe todas as informações a respeito das sílabas? Confira aqui, no Gestão Educacional, as informações completas!

 

Qual é o elemento central da sílaba?

Como você já deve saber, o elemento central da sílaba do português é a vogal. Não há sílaba sem vogal. Observe abaixo:

  • Ta-pe-te;
  • Pa-ra-le-le-pí-pe-do;
  • Di-ur-no;
  • Trans-por-te;
  • A-le-grou.

Perceba que em cada sílaba das palavras acima há no mínimo uma vogal. O número de consoantes na sílaba varia: transporte, por exemplo, tem quatro consoantes na primeira sílaba.

Entretanto, por mais que seja regra a sílaba ter no mínimo uma vogal, nada impede que ela tenha mais de uma, como na silaba final de alegrou. Quando duas vogais ocupam a mesma sílaba, como nesse caso, dá-se o nome ditongo. Já tritongo é o nome que se dá ao encontro de três vogais numa mesma sílaba, como na sílaba final de Paraguai.

A única exceção são as onomatopeias, que permitem a ausência de vogais, como “tsc”.

Sílabas abertas e sílabas fechadas: qual a diferença?

A diferença é muito simples: as sílabas abertas são aquelas terminadas em vogal. Por exemplo, todas as sílabas da palavra “pa-ra-le-le-pí-pe-do” são abertas, uma vez que todas elas terminam em vogal.

Veja outros exemplos de palavras que só possuem sílabas abertas:

  • Ma-ru-jo;
  • Tu-li-pa ;
  • Pa-ra-ná.

as sílabas fechadas, por outro lado, são aquelas terminadas em consoante, como as do verbo “gar-far”. Nesse verbo, as duas sílabas terminam com a consoante -r.

Outros exemplos de palavras que só possuem sílabas fechadas são:

  • Már-tir;
  • Par-dal;
  • In-sur-gir.

Regras especiais (RR, SS, SC, etc.)

Os encontros vocálicos RR, SS, SC, SÇ, XS e XC devem obedecer a uma regra específica: essas consoantes não são alocadas na mesma sílaba, mas distribuídas em duas. As divisões silábicas de palavras com esses encontros ocorrem, portanto, da seguinte maneira:

  • Ter-ra;
  • Res-sur-rei-ção;
  • Nas-ci-men-to;
  • Des-crer.

Classificações das palavras quanto ao número de sílabas

Outro aspecto importante do estudo das sílabas é a divisão das palavras, de acordo com o número de sílabas, em categorias. As palavras podem ser divididas em quatro categorias:

  • Monossilábicas: são palavras formadas apenas por uma sílaba: pé, fé, eu, mão, quais, etc.;
  • Dissilábicas (ou dissílabas): são palavras formadas por duas sílabas: ca-fé, ar-co, nun-ca, á-gua, va-mos, etc.;
  • Trissilábicas (ou trissílabas): são palavras formadas por três sílabas: in-va-dir, por-tu-guês, guar-ni-ção, a-ju-da, etc.;
  • Polissilábicas (ou polissílabas): são palavras formadas por mais de três sílabas: li-ber-da-de, dan-ça-ri-na, in-fe-liz-men-te, res-sur-rei-ção, etc.

Sílabas poéticas ou métricas

A contagem silábica na poesia é importantíssima para a versificação e ocorre de maneira um pouco diferente da separação silábica normal.

As poesias são compostas por versos (ou linhas poéticas), que nada mais são que uma sequência de palavras (e consequentemente de sílabas). Os poetas, quando escrevem suas poesias, podem ou não, dependendo do estilo, manter o mesmo número de sílabas em cada um dos versos.

Observe, a seguir, parte do Soneto 106 de William Shakespeare:

No blasonar da formosura rara

Que em mãos, pés, lábios, olhos, face aflora,

Sinto que a musa antiga decantara

Mesmo a beleza que deténs agora (SHAKESPEARE, 2013, p. 95).

Peguemos o segundo verso e o dividimos para contarmos as sílabas poéticas. O resultado seria o seguinte:

|Que em| mãos,| pés,| lá|bios,| o|lhos|, fa|ce a|flo|

1            2          3       4    5       6     7        8     9    10

A separação silábica, como você deve ter notado, aconteceu de maneira muito diferente. Isso porque, na contagem de sílabas métricas, sílabas terminadas em vogais se juntam a sílabas iniciadas em vogais (como na nona sílaba do exemplo) ou sons que lembram o de vogal, como o do H, desde que não sejam ambas tônicas.

Além disso, a sílaba final do verso não foi levada em consideração para a contagem. Isso porque não se conta a sílaba final do verso, desde que ela não seja uma sílaba tônica.

O resultado é um verso de dez sílabas, que se repete em todos os outros do exemplo. A esse padrão de sílabas chama-se metro decassilábico, uma característica do soneto shakespeariano (também chamado soneto inglês).

Exercícios Resolvidos

1. Apresente a separação silábica dos vocábulos abaixo.

a) Inflamável ___________________

b) Aquém ___________________

c) Maravilhoso ___________________

d) Inconstitucional ___________________

e) Milimetricamente ___________________

2. Os versos abaixo são todos decassilábicos shakespearianos (SHAKESPEARE, 2013). Separe-os em sílabas métricas de forma a alcançar dez sílabas poéticas.

a) “Onde estás, Musa, que esqueceste há tanto

de falar do vigor que te bendiz”

b) “Mas meus versos esperam no papel,

Louvando-te, vencer a mão cruel”

c) “Mas cada dia, o dia a dor aumenta

e cada noite, a noite inda a acrescenta”

RESPOSTAS:

1. a) in-fla-má-vel b) a-quém c) ma-ra-vi-lho-so d) in-cons-ti-tu-ci-o-nal e) mi-li-me-tri-ca-men-te

2.

a) “On|de es|tás, Mu|sa,| que es|que|ces|te há| tan|-

de| fa|lar| do| vi|gor| que| te| ben|diz”

b) “Mas| meus| ver|sos| es|pe|ram| no| pa|pel,|

Lou|van|do|-te|, ven|cer| a| mão| cru|el”|

c) “Mas| ca|da| di|a, o| di|a a| dor| au|men|-

e| ca|da| noi|te, a| noi|te in|da a a|cres|cen|-”

Alexandre Garcia Peres, formado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), gosta de arte, literatura, língua portuguesa, poesia e do seu gato.

Deixe seu comentário