Sistema indiano de castas – Como funciona? Como é composto? O sistema hoje

A Índia é um país da Ásia que detém uma população de 1,3 bilhão de pessoas, sendo uma das nações mais populosas do mundo. Cerca de três quartos desses indivíduos segue a religião hindu, que interfere de maneira direta na vida e na estruturação social. Isso ocorre porque o hinduísmo divide a sociedade em castas.

Na sociedade liberal do Ocidente, está engendrado culturalmente o fato de que todos podem ascender social e economicamente mediante esforço próprio, alcançando e acumulando riquezas. Embora essa premissa seja comprovada no dia a dia mais como exceção do que regra, na Índia, essa máxima não vale, pois, o país faz uso de critérios religiosos e hereditários na formação de seus grupos sociais. Vejamos como isso ocorre na prática.

Como funciona o sistema indiano de castas?

O sistema indiano de castas é determinado por uma hierarquia bastante rígida e complexa, em que o nascimento determina a condição social da pessoa. Ou seja, se ela nasce dentro de um grupo social mais pobre, ela seguirá se relacionando e vivendo apenas com esses indivíduos, sem poder ascender socialmente para outro grupo. A casta é imutável e mantida pela hereditariedade e pelo casamento, que só pode ser celebrado entre sujeitos da mesma casta. A união entre pessoas de castas distintas é expressamente proibida.

Historiadores creem que esse sistema de castas surgiu mais ou menos entre 1500 a.C. e 600 a.C., em um período em que foi desenvolvido um código de conduta que estabelecia várias punições para diversos crimes, mas ressalvando que a punição dependeria da casta na qual a pessoa fazia parte. O sistema de castas também divide o tipo de trabalho que cada grupo exerce, sendo os piores para as castas inferiores e os mais nobres às superiores.

Como é composto o sistema de castas?

O sistema de castas é composto por três castas no topo da hierarquia: os brâmanes, que são os religiosos e os mestres, os xátrias, que são os reis, governantes e guerreiros, seguidos pelos vaixás, que são os comerciantes. Na base, estão as castas inferiores, denominadas de shudras, e que são compostas pelos trabalhadores braçais.

Acredita-se que essas quatro castas teriam emergido graças ao deus Brahma, da seguinte maneira: da cabeça apareceram os brâmanes, dos braços os xátrias, das coxas os vaixás e dos pés os shudras. Elas passam a ideia de pureza, de acordo com a religião.

Abaixo de todos esses estão os dalits, conhecidos também como intocáveis, um grupo social que sofre muita discriminação e perseguição por parte das castas superiores, em especial nas áreas rurais. Eles são vistos como indivíduos impuros.

Em uma tentativa de acabar com a discriminação das castas inferiores, a Índia estabeleceu, em sua nova constituição, várias medidas, logo após o fim da colonização do país pela Inglaterra. Em 1950, por exemplo, para tentar diminuir as injustiças e oferecer condições mais equânimes, o governo indiano anunciou cotas em empregos públicos para castas e tribos. Isso buscava impedir que apenas determinada casta tivesse acesso àquele tipo de trabalho, relegando as tarefas menos valorosas e pouco rentáveis aos da base da pirâmide.

O sistema de castas hoje

Vale dizer, no entanto, que, hoje em dia, há um sistema bem mais complexo, com diversas subcastas que apenas reforçam o preconceito das superiores em relação às inferiores. Mas, com o desenvolvimento do país e a influência do mundo globalizado, esse sistema tem sido subvertido em alguns casos, com novas profissões sendo ocupadas por sujeitos de castas semelhantes ou mesmo distintas. Há até alguns dalits que conseguiram irromper a rigidez do sistema e ascenderam economicamente. Mas, apesar desses avanços, em geral, o sistema indiano de castas segue forte, com as elites beneficiadas lutando para mantê-lo.

“Os brâmanes continuam sendo os principais construtores da civilização na Índia e, consequentemente, possuem um forte interesse na preservação desta tradição. Com a ocidentalização de algumas ideias e instituições, as quais poderiam contrariar os princípios básicos da cultura indiana, todas as informações passam primeiramente pelo filtro do bramanismo para somente após sua aprovação alcançarem o restante da população, o que muitas vezes, gera distorção das ideias iniciais”, escrevem Sarita Cruz de Oliveira Ost e Eduardo Ernesto Filippi, no artigo O impacto do sistema de castas no desenvolvimento econômico e social da Índia contemporânea.

Especialistas afirmam ainda que os líderes, gestores e políticos se aproveitam dos muitos problemas do sistema de castas na contemporaneidade para garantir a sua manutenção no poder. Como consequência, isso faz com que o regime de castas prevaleça na Índia, reforçando a desigualdade na sociedade local.

Rodrigo Herrero Lopes

Jornalista com 15 anos de experiência, é mestre em América Latina pela Universidade de São Paulo (USP) na linha de pesquisa Práticas Políticas e Relações Internacionais.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content