Socialismo Democrático – Origem, Características e Releituras

Em um mundo predominado pela globalização neoliberal e pelo crescimento de movimentos nacionalistas extremistas, fica até difícil tratar de Socialismo hoje em dia, em especial por causa de algumas experiências não tão exitosas ao longo da história. Torna-se ainda mais hermético abordar a questão do socialismo democrático, um conceito que pode parecer um tanto obtuso, mas que carrega muitas possibilidades e ainda mantém acesa a chama da utopia por um mundo menos desigual.

Neste artigo, trataremos das origens que desencadearam o surgimento do socialismo democrático, abordaremos também um pouco sobre seu conceito e também a respeito do suposto dilema entre democracia e socialismo.

Origem e releituras do socialismo

O socialismo surgiu a partir dos movimentos operários, em decorrência da Revolução Industrial e do aumento das fábricas e do crescimento dos centros urbanos, que trouxe uma série de transformações e aspectos que precisavam ser debatidos, em especial sobre condições de trabalho, salários justos, moradia, etc. A renovação existente no mundo do trabalho, bem como na sociedade como um todo, demonstrava a supremacia do Capitalismo, em que o proprietário explorava seus funcionários para aumentar seus lucros. Os operários, então, passaram a se mobilizar para combater essa nova realidade.

Daí surgiram primeiramente os socialistas utópicos, que acreditavam que a burguesia poderia dividir parte de sua riqueza com os trabalhadores de maneira espontânea. Essa tese foi rebatida pelo socialismo científico, encabeçado por Karl Marx (1818 – 1883), que afirmava que seria preciso o proletariado se organizar e realizar uma revolução para tomar os meios de produção e escapar das amarras do capital.

Posteriormente, algumas releituras do socialismo foram produzidas, nascendo daí o socialismo democrático, que se opõe às experiências autoritárias e totalitárias vivenciadas pelo chamado socialismo real no século XX, em especial na União Soviética e na China. No entanto, especialistas afirmam que não há teorias muito claras sobre como seria esse tipo de socialismo na prática, como ele se fundamentaria. Mas, ainda assim, é defendido como uma alternativa que evite a supressão da liberdade e que sejam oferecidos direitos e igualdade aos seus cidadãos.

Características do socialismo democrático

Uma das características do socialismo democrático é a defesa de uma economia descentralizada, democrática, com participação mais ativa dos movimentos populares, sob a liderança da classe trabalhadora. O regime pregado é a democracia política, em clara oposição aos movimentos autoritários e também à etapa da ditadura do proletariado apregoada pelo Comunismo como um período anterior da sociedade sem classes. Há, também, alguns grupos que se identificam com uma vertente denominada socialismo de mercado, que também ocorreria dentro da democracia e seria marcada pelo controle público dos meios de produção.

De qualquer forma, o socialismo democrático está mais ligado a uma teoria reformista ou evolucionista de socialismo. Isso porque, seus adeptos defendem a conquista do poder pela via eleitoral, ou seja, participando ativamente do processo democrático e implantando seus conceitos a partir de um convencimento e da vitória de um projeto político socialista nas urnas. Isto é, a ideia é fazer uma transformação de dentro do sistema. Aqui, como se vê, a experiência se coloca diametralmente oposta ao Marxismo, que prega a revolução proletária e a tomada de poder pela violência, pois essa seria a única forma de lograr êxito de fato e acabar de vez com a exploração por parte do capitalismo.

“A despeito de toda ambiguidade, a despeito da pressão de preocupações de curto prazo, os socialistas entraram na política burguesa para ganhar eleições, para obter um mandato incontestável tendo em vista as transformações revolucionárias, e para legislar a sociedade dentro do socialismo. Este era o objetivo e esta era a esperança que tinham. A participação eleitoral era baseada na crença de que a democracia não é apenas necessária, mas é suficiente para alcançar o socialismo”, escreveu o professor de Ciência Política Adam Przeworski, no artigo A social-democracia como fenômeno histórico, ao citar um momento histórico entre o final do século XIX e início de século XX que sintetiza o dilema do socialismo democrático.

Por fim, é importante deixar claro que socialismo democrático e social-democracia não são a mesma coisa. Os defensores das duas correntes chegam até a rejeitar a outra doutrina. Os socialistas afirmam que a social-democracia ajuda a manter o modo de produção capitalista, já que essa última não prega a ruptura do sistema e a implantação do socialismo. Já os social-democratas não se reconhecem como socialistas e consideram ser possível desenvolver políticas dentro do capitalismo para mitigar seus efeitos nocivos.

Rodrigo Herrero Lopes

Jornalista com 15 anos de experiência, é mestre em América Latina pela Universidade de São Paulo (USP) na linha de pesquisa Práticas Políticas e Relações Internacionais.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content