Status social – O que é? Classe social, Classificação e Exemplos

O conceito de status social é um elemento importante da Sociologia que trata a respeito da posição de um indivíduo ou de sua família dentro da estrutura social de uma sociedade. Nascida a partir das ideias do intelectual alemão Max Weber (1864 – 1920), essa chave de análise procura tratar de temas como poder, prestígio e pertencimento social, importantes para o entendimento das relações sociais.

Neste texto, nós do Gestão Educacional focaremos no que é o status social, as suas características e a sua classificação, bem como a sua relação entre status e classe social, conceitos que servem para analisar coisas semelhantes, mas que possuem significados distintos.

O que é status social?

O status social define a posição social da pessoa dentro da estrutura da sociedade. Ou seja, quanto mais o indivíduo ascender socialmente, maior será o seu status social perante os demais. O status social está relacionado à posição, ao posto e ao prestígio que o sujeito detém diante daqueles que estão à sua volta.

De acordo com Weber, dentro desse conceito, a sociedade é dividida em grupos de status diversos. Esses grupos são definidos pela honra de seus membros, que determinam as regras e também os estilos de vida dos demais integrantes. Dessa forma, há uma hierarquia que ordena os grupos de status de acordo com o seu prestígio e poder, sendo que todos conhecem seu lugar na sociedade, seus direitos e deveres, devendo respeitar o que foi acordado entre eles, o que inclui as suas limitações naquela estrutura social. Esse tipo de sociedade era muito comum no Feudalismo europeu, que predominou no período conhecido como Idade Média, que vigorou entre os séculos V e XV.

Classificação e exemplos de status social

O status social pode ser classificado de duas maneiras. Na primeira, ele pode ser adquirido, isto é, recebido de forma alheia à sua vontade. Exemplo disso é o caso dos herdeiros de uma família nobre que acabam adquirindo um status social por pertencerem a um grupo distinto. Na segunda, pode ser atribuído, ou seja, a partir dos seus esforços pessoais durante a vida, ele conseguiu galgar esse espaço na sociedade e ascender socialmente. Um exemplo disso é um empresário que começou como vendedor e, após muitos anos batalhando, tornou-se dono de uma grande companhia e é reconhecido pela sociedade.

É importante ressaltar que aspectos simbólicos influenciam na formação do status social dos indivíduos. Ou seja, além da questão econômica, outros pontos podem modificar o status da pessoa. Um exemplo é o do jogador de futebol, que mesmo que vá jogar na Europa e fique muito rico, continuará sendo conhecido como tal. Porém, se ele se tornar candidato a algum cargo político e for eleito, seu status social mudará, pois, seu poder também aumentará, incluindo o de ditar regras, influenciar pessoas etc. É o caso de Romário, ex-jogador de futebol, que fez sucesso no Brasil e na Europa, mas que hoje é também reconhecido pela sua atuação na política.

Status social e classe social

Vale salientar que o conceito de status social aponta para outros aspectos que não são abordados em classe social, conceito usado por Karl Marx (1818 – 1883). Se com Weber o status social é definido pelo prestígio, poder e pertencimento a um grupo social, no pensamento marxista, a divisão da sociedade, no caso a capitalista, ocorre, em resumo, entre aqueles que detêm os meios de produção e, portanto, controlam a econômica, a política e, ideologicamente, a sociedade, e o proletariado, que vende a sua força de trabalho para sobreviver.

Os estudos de estratificação social feitos a partir das chaves de análise do status social e da classe social visam classificar como as pessoas se organizam e, dessa forma, possuem caráter classificatório. Ocorre que a perspectiva weberiana de status social tem limitações, ao ser analisada no âmbito das sociedades urbanas e industrializadas, que passaram a crescer no século XIX graças à Revolução Industrial, que levou as pessoas a viverem em aglomerados urbanos para trabalharem nas fábricas.

No entanto, a partir do século XX, intelectuais como o francês Pierre Bordieu (1930 – 2002) começaram a fazer estudos que pudessem relacionar aspectos de status social com os de classe. No decorrer do tempo, foram desenvolvidas diversas metodologias de estudos sociais para conseguir determinar a posição das pessoas e das famílias dentro do tecido social. Para isso, foram incorporadas na pesquisa aspectos como grau educacional, bairro onde mora, profissão etc., proporcionando uma visão multidimensional ao conceito do status social e revelando sua importância na contribuição do entendimento do funcionamento da sociedade.

Rodrigo Herrero Lopes

Jornalista com 15 anos de experiência, é mestre em América Latina pela Universidade de São Paulo (USP) na linha de pesquisa Práticas Políticas e Relações Internacionais.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content