Teia alimentar – O que é? Para que serve? Diferença entre cadeia alimentar

Para entender o que é uma teia alimentar, primeiro, é necessário saber todo o conceito de cadeia alimentar.

Todos os seres humanos, e a maioria dos animais, vivem por causa da energia proveniente dos alimentos que ingerem. É justamente essa energia que dá força, disposição e capacidade ao corpo para realizar todas as tarefas de subsistência.

teia alimentar

Essa energia que todos precisam para viver é transferida ao longo de uma cadeia alimentar. É por ela que a energia passa para todos os seres vivos, no entanto, as relações alimentares de um ecossistema não são formadas por simples cadeias.

É justamente aí que entra a teia alimentar, pois essa é um conjunto de relações alimentares entre toda a população de um ecossistema.

Diferença entre cadeia e teia alimentar

É importante entender que existe uma sequência hierárquica que alinha todo o percurso da energia. Ela começa e termina da seguinte maneira:

  • Produtores – são chamados de seres autotróficos, porque são aqueles que conseguem produzir o próprio alimento. Fazem parte dessa cadeia, as plantas e os vegetais;
  • Consumidores primários – alimentam-se dos produtores herbívoros. Ex: ratos, preás, pássaros e outros;
  • Consumidores secundários – são os carnívoros que se alimentam dos consumidores primários. Exemplo: cobra, gato, raposa e outros;
  • Consumidores terciários – alimentam-se dos consumidores secundários. Ex: gavião, jaguatirica, leão e outros.

[CONFIRA, TAMBÉM, O CONTEÚDO COMPLETO SOBRE CADEIA ALIMENTAR]

E assim ocorre o ciclo, até o consumidor final, que são todos os seres decompositores, como os fungos e as bactérias.

Os seres autotróficos, denominados produtores, sustentam a cadeia. São formados pelas plantas que alimentam tanto os herbívoros como os carnívoros. Essa é considerada uma cadeia de pastejo.

Existe, também, a cadeia de detritos, extremamente importante para a sobrevivência dos seres, pois é na matéria orgânica não viva, denominada pelo final da cadeia, onde estão os fungos e as bactérias.

Esses são responsáveis pela decomposição de vegetais e animais, posteriormente liberando a matéria em forma de nutrientes para as plantas e o solo, iniciando um novo clico.

Cadeia alimentar terrestre

  • Produtor: árvore;
  • Consumidor primário: pássaro;
  • Consumidor secundário: raposa;
  • Consumidor terciário: gavião;
  • Decompositor: bactérias e fungos.

Cadeia alimentar aquática

  • Produtor: algas marinhas;
  • Consumidor primário: peixes herbívoros (que se alimentam de plantas);
  • Consumidor secundário – peixes carnívoros (que se alimentam de carne, por exemplo, o tubarão);
  • Consumidor terciário: aves aquáticas;
  • Decompositor: bactérias e fungos.

Esses exemplos, citados acima, mostram apenas as relações alimentares de uma maneira muito linear e simples, com uma transferência unidirecional de energia. Isso é uma cadeia alimentar.

A teia alimentar não é nenhum pouco linear. Ela se assemelha a uma teia de aranha, pois tem a transferência de energia distribuída em diversas direções.

Em suma, a teia alimentar é um conjunto de cadeias interligadas entre si. Ela representa de maneira mais eficiente todo o ecossistema, pois mostra todas as relações que podem existir.

Por exemplo, existem animais que comumente se alimentam de vegetais, ou seja, são consumidores primários, no entanto, também se alimentam de animais, sendo também consumidores secundários. Essa é a melhor definição de teia alimentar, nada linear, podendo haver variações.

Fluxo de energia

como funciona a teia alimentar

As teias alimentares representam o fluxo de energia direcional pelas ligações tróficas, ou seja, contrastam-se com fluxos cíclicos de material pela cadeia alimentar.

A energia é definida pela capacidade de execução de trabalho. É preciso compreender que o comportamento da natureza segue suas leis naturais, e elas se aplicam a todos os sistemas biológicos.

São as fontes de energia que sustentam todas as cadeias e também as teias alimentares – caso haja rompimento nessa transferência, pode haver um desequilíbrio na teia.

O ser humano também pode interferir nessa transferência de energia, pois são onívoros e consomem alimentos tanto de origem vegetal como animal.

A teia alimentar é bastante complexa, entretanto, por meio dela é possível ter uma visão bastante ampla de todo o ecossistema e perceber as diferentes cadeias que estão conectadas para a existência dos seres vivos.

Os organismos mortos e as fezes que não servem para as demais cadeias tornam-se alimentos para fungos e bactérias, que metabolizam e convertem a energia em calor, por meio da respiração celular. Ou seja, nenhuma energia simplesmente desaparece, e sim termina como calor.

Marcela Mazetto

Jornalista formada pela PUCPR, tem 21 anos e é viciada em música de todos os tipos, livros e séries. Mestre em curiosidades inúteis, está sempre procurando fugir da rotina.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content