Fonética e Fonologia – Diferença, Transcrição fonética e Exercícios

A língua portuguesa, assim como todas as outras línguas do mundo, é articulada. Isso significa dizer que os enunciados que os falantes criam não são uma coisa só, indivisível, mas sim que eles podem ser desmembrados em unidades menores.

Nesse sentido, uma oração é um conjunto de palavras, uma palavra é um conjunto de morfemas e os morfemas são um conjunto de sons. Há áreas na linguística responsáveis pelo estudo de cada uma dessas relações.

Neste artigo, trataremos do estudo da combinação de sons para a formação de unidades maiores: as palavras. Trataremos, portanto, da fonética e da fonologia.

[VEJA TAMBÉM: O QUE É SEMÂNTICA?]

Fonética e fonologia

Fonética e fonologia: qual a diferença?

Apesar de muito próximas, fonética e fonologia não são a mesma coisa. Ambas se coordenam e completam, mas são áreas de estudo diferentes.

A grosso modo, a fonética estuda e descreve os sons da linguagem humana, chamados fones, indo desde a produção deles, por meio do aparelho fonador. Pela fonética, são feitas categorizações dos vários sons produzidos pelos humanos durante o ato comunicativo. A preocupação da fonética, portanto, recai sobre a natureza física e fisiológica da produção e da percepção desses sons.

A fonologia (ou fonemática ou fonêmica), por outro lado, é a ciência responsável por estudar, analisar e formalizar, gramaticalmente, a maneira como os sons se organizam na linguagem humana, classificando-os em fonemas, ou seja, as menores unidades de uma língua com valor distintivo.

Por exemplo, observe as palavras abaixo:

  • Paro;
  • Faro;
  • Caro;
  • Saro;
  • Raro.

As cinco palavras acima diferem apenas quanto ao som inicial. Isso nos permite concluir que cada um desses sons representa uma unidade mental sonora diferente, ou seja, tratam-se de fonemas.

[VEJA TAMBÉM: O QUE É PRAGMÁTICA?]

Como são produzidos os sons?

A produção dos sons da nossa fala é produto da ação de uma série de órgãos sobre a corrente do ar que vem dos pulmões. Pode-se dizer, portanto, que começa nos pulmões, passa por determinadas regiões do corpo (encontrando obstáculos, responsáveis pelas diferenças entre os sons) até chegar na boca e nas fossas nasais.

Os órgãos responsáveis (chamados, juntos, de aparelho fonador) são os seguintes:

  • Pulmões, brônquios e traqueia: responsáveis pela produção da corrente do ar;
  • Laringe: lar das cordas vocais, que vibram por conta da passagem do ar, resultando nos sons;
  • Faringe, boca e fossas nasais: funcionam como caixa de ressonância; a boca, inclusive, tem grande importância, uma vez que pode variar de forma e volume (por mudanças da língua, dos lábios e dos demais músculos), estreitando-se ou alargando-se.

Fonética e fonologia

[VEJA TAMBÉM: O QUE É SINTAXE?]

Classificação dos sons

Resumidamente, os sons se dividem em três tipos: vogais, consoantes e semivogais.

Vogais (a, e, i, o, u)

As vogais são fonemas sonoros, produzidos pela livre saída do ar pela boca. São distinguíveis entre si pela variação de timbre. Não existe sílaba sem vogal.

Durante a produção, o som pode sair de diferentes maneiras, dependendo da articulação do aparelho fonador.

Os tipos de vogais são:

  1. Vogais orais, quando o som sai pela boca;
  2. Vogais nasais, quando o som sai pela boca e pelas fossas nasais;
  3. Vogais átonas, quando produzidas com menor intensidade;
  4. Vogais tônicas, quando produzidas com maior intensidade.

Consoantes (b, c, d, f, g, …)

São fonemas resultantes de um fechamento ou estreitamento do canal bucal. Não atuam como núcleo silábico, exigindo sempre a presença de vogais.

Semivogais (i e u)

Os fonemas /i/ e /u/, quando se encontram com outras vogais, fazendo sílabas com elas, recebem o nome de semivogais. Não deixam de ser vogais, mas o acento tônico recai na vogal ao lado.

Por exemplo, na palavra monossilábica pai. O núcleo silábico é a vogal /a/, de modo que a semivogal /i/ é pronunciada com menor intensidade.

[VEJA TAMBÉM: O QUE É MORFOLOGIA?]

Transcrição fonética

A transcrição fonética é a representação dos sons por meio da escrita. Essa representação é realizada utilizando-se caracteres especiais, do chamado alfabeto fonético.

Na transcrição fonética, os sinais fonéticos são colocados entre colchetes. Um apóstrofo é colocado no início da sílaba tônica. Veja alguns exemplos:

  • Bola = [‘bɔ.lɐ];
  • Carro = [‘ka.ru];
  • Gato = [‘ga.tʊ].

Exercícios Resolvidos

1. Marque (V) para VERDADEIRO ou (F) para FALSO para as afirmações a seguir.

(    ) A fonética e a fonologia são ciências próximas, mas possuem suas diferenças. Enquanto a fonética estuda a natureza dos sons, a fonologia, mais próxima da medicina e da biologia, estuda o aparelho fonador.

(    ) A fonética e a fonologia são ciências próximas, pois estudam a mesma coisa e têm os mesmos objetivos.

(    ) A fonética e fonologia são ciências próximas, mas não são a mesma coisa. Enquanto a fonética estuda a natureza dos sons, a fonologia é responsável por estudar a maneira como esses sons se organizam nas línguas.

(    ) Fone é a abreviação de fonema. Ambas as palavras remetem à mesma coisa.

2. As palavras abaixo estão foneticamente transcritas. Identifique que palavras são.

a) [fiks′ãw] = ________

b) [ʒig′ãti] = ________

c) [sos′egu] = ________

d) [sin′ema] = ________

e) [k′ejʒu] = ________

RESPOSTAS

1) F,F,V,F

2) a) ficção; b) gigante; c) sossego; d) cinema; e) queijo.

Alexandre Garcia Peres

Alexandre Garcia Peres, formado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), gosta de arte, literatura, língua portuguesa, poesia e do seu gato.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content