Ortografia – O que é? Foco de estudo, Importância e Evolução

As línguas estão constantemente passando por mudanças. Recentemente, em 2016, o Acordo Ortográfico de 1990 passou a entrar em vigor no Brasil. As principais alterações aconteceram na maneira como algumas palavras são acentuadas e no emprego do hífen.

Porém, o estudo da Ortografia não se limita apenas a isso. Você sabe no que consiste a Ortografia? Pois vejamos agora, aqui no Gestão Educacional!

O que é ortografia?

O nome, ortografia, é de origem grega. É a junção de “ortho”, que quer dizer “correto”, e “graphos”, que quer dizer escrita. É fácil inferir, portanto, que a ortografia é a área da gramática responsável por estudar a escrita correta dos vocábulos.

É de responsabilidade da ortografia estudar e delimitar as regras de acentuação gráfica das palavras, o uso correto das letras na escrita dos vocábulos, etc.

Ortografia

Qual a importância da ortografia?

A ortografia é uma parte muito importante da gramática. Por meio dos chamados acordos ortográficos, países, que compartilham a mesma língua, estipulam normas comuns para manter os idiomas próximos, pois, do contrário, eles afastar-se-iam consideravelmente com o passar dos séculos, uma vez que cada um deles estipularia suas próprias regras.

É o que tem acontecido com a língua portuguesa ao longo das décadas, que contou com vários acordos ortográficos, em 1931, 1945 e 1990, além de outros, individuais de cada país, como a Reforma Ortográfica de 1971, adotada apenas pelo Brasil, ou a de 1911, a primeira reforma ortográfica do português, realizada por Portugal.

Fato é que, sem acordos ortográficos, chegaria um momento em que os brasileiros não entenderiam os portugueses, os portugueses não entenderiam os angolanos, e assim por diante.

Além disso, a existência de uma ortografia também assegura que o idioma não sofra mudanças drásticas dentro do próprio país. Afinal, se cada brasileiro tivesse suas próprias normas, cada um falaria uma língua diferente, de modo que um falante não entenderia o outro. Por isso é tão importante a existência de uma gramática.

A evolução da ortografia do português

A ortografia passou por três fases diferentes ao longo da história, como observa Rocha Lima (1996, p. 44-46): o período fonético, o pseudoetimológico e o histórico-científico.

Período fonético

No período fonético, conhecido como fase arcaica da língua, que durou até o século XVI, não havia a preocupação de se escrever os vocábulos de acordo com a forma que apresentavam em sua origem.

A preocupação, como o nome indica, era a de escrevê-los conforme se falava. Nesse período, como é de se imaginar, havia muita confusão na hora de se escrever os vocábulos, afinal, cada um tinha sua própria maneira de falar.

Por exemplo, homem poderia ser escrito: “homem”, “omem” ou ainda “ome”.

Isso era um grande problema na hora de, por exemplo, registrar historicamente alguma coisa, assim como dificultava a vida de quem precisava recorrer a registros históricos para algum propósito.

Período pseudoetimológico

No período pseudoetimológico, que começou no Renascimento e durou até os primeiros anos do século XX, houve a tendência de se aproximar à grafia do português da grafia de sua língua-mãe, o latim, por influência do eruditismo do período.

Esse foi um período problemático, também, uma vez que, no anseio de aproximar a grafia do português à do latim, incorporaram-se na escrita elementos que já haviam sido perdidos na evolução do português, como a duplicação de consoantes intervocálicas, como em “gatto” e “bocca”.

Esse também era um problema e tanto, uma vez que a ortografia desconsiderava a evolução pela qual a língua passou, e a língua realmente falada era substancialmente diferente daquela usada na escrita.

Período histórico-científico

Por fim, no período histórico-científico, a partir dos estudos do português Adolfo Coelho, em 1868, a ortografia passou a ser tratada com um viés com rigor científico.

Em 1904, o português Aniceto dos Reis Gonçalves Viana publica Ortografia nacional, a primeira descrição do sistema fonético do português. Então, em 1911, o governo português destaca uma comissão para estudar e formular as bases daquela que seria a primeira reforma ortográfica.

Essa reforma seria adotada no Brasil apenas em 1931, marcando o início de um processo que dura até os dias de hoje.

Ortoépia

Alguns dos focos de estudo da ortografia

  • Letra e alfabeto;
  • Notações lexicais (acento agudo, grave e circunflexo, til, trema, apóstrofo, cedilha, hífen);
  • Regras de acentuação;
  • Separação silábica;
  • Ditongos;
  • Emprego das letras inicias maiúsculas;
  • Regras de utilização das letras, como as particularidades por trás do emprego de H, X, Y, Z, CH, SS, G ou J, S ou Z, etc.;
  • Regras de utilização de determinados vocábulos, como “abaixo” ou “a baixo”, “mas” ou “mais”, “onde” ou “aonde”, etc.

Alexandre Garcia Peres

Alexandre Garcia Peres, formado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), gosta de arte, literatura, língua portuguesa, poesia e do seu gato.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content