Ortografia – O que é? Foco de estudo, Importância e Evolução

As línguas estão constantemente passando por mudanças. Recentemente, em 2016, o Acordo Ortográfico de 1990 passou a entrar em vigor no Brasil. As principais alterações aconteceram na maneira como algumas palavras são acentuadas e no emprego do hífen.

Porém, o estudo da Ortografia não se limita apenas a isso. Você sabe no que consiste a Ortografia? Pois vejamos agora, aqui no Gestão Educacional!

O que é ortografia?

O nome, ortografia, é de origem grega. É a junção de “ortho”, que quer dizer “correto”, e “graphos”, que quer dizer escrita. É fácil inferir, portanto, que a ortografia é a área da gramática responsável por estudar a escrita correta dos vocábulos.

É de responsabilidade da ortografia estudar e delimitar as regras de acentuação gráfica das palavras, o uso correto das letras na escrita dos vocábulos, etc.

Ortografia

Qual a importância da ortografia?

A ortografia é uma parte muito importante da gramática. Por meio dos chamados acordos ortográficos, países, que compartilham a mesma língua, estipulam normas comuns para manter os idiomas próximos, pois, do contrário, eles afastar-se-iam consideravelmente com o passar dos séculos, uma vez que cada um deles estipularia suas próprias regras.

É o que tem acontecido com a língua portuguesa ao longo das décadas, que contou com vários acordos ortográficos, em 1931, 1945 e 1990, além de outros, individuais de cada país, como a Reforma Ortográfica de 1971, adotada apenas pelo Brasil, ou a de 1911, a primeira reforma ortográfica do português, realizada por Portugal.

Fato é que, sem acordos ortográficos, chegaria um momento em que os brasileiros não entenderiam os portugueses, os portugueses não entenderiam os angolanos, e assim por diante.

Além disso, a existência de uma ortografia também assegura que o idioma não sofra mudanças drásticas dentro do próprio país. Afinal, se cada brasileiro tivesse suas próprias normas, cada um falaria uma língua diferente, de modo que um falante não entenderia o outro. Por isso é tão importante a existência de uma gramática.

A evolução da ortografia do português

A ortografia passou por três fases diferentes ao longo da história, como observa Rocha Lima (1996, p. 44-46): o período fonético, o pseudoetimológico e o histórico-científico.

Período fonético

No período fonético, conhecido como fase arcaica da língua, que durou até o século XVI, não havia a preocupação de se escrever os vocábulos de acordo com a forma que apresentavam em sua origem.

A preocupação, como o nome indica, era a de escrevê-los conforme se falava. Nesse período, como é de se imaginar, havia muita confusão na hora de se escrever os vocábulos, afinal, cada um tinha sua própria maneira de falar.

Por exemplo, homem poderia ser escrito: “homem”, “omem” ou ainda “ome”.

Isso era um grande problema na hora de, por exemplo, registrar historicamente alguma coisa, assim como dificultava a vida de quem precisava recorrer a registros históricos para algum propósito.

Período pseudoetimológico

No período pseudoetimológico, que começou no Renascimento e durou até os primeiros anos do século XX, houve a tendência de se aproximar à grafia do português da grafia de sua língua-mãe, o latim, por influência do eruditismo do período.

Esse foi um período problemático, também, uma vez que, no anseio de aproximar a grafia do português à do latim, incorporaram-se na escrita elementos que já haviam sido perdidos na evolução do português, como a duplicação de consoantes intervocálicas, como em “gatto” e “bocca”.

Esse também era um problema e tanto, uma vez que a ortografia desconsiderava a evolução pela qual a língua passou, e a língua realmente falada era substancialmente diferente daquela usada na escrita.

Período histórico-científico

Por fim, no período histórico-científico, a partir dos estudos do português Adolfo Coelho, em 1868, a ortografia passou a ser tratada com um viés com rigor científico.

Em 1904, o português Aniceto dos Reis Gonçalves Viana publica Ortografia nacional, a primeira descrição do sistema fonético do português. Então, em 1911, o governo português destaca uma comissão para estudar e formular as bases daquela que seria a primeira reforma ortográfica.

Essa reforma seria adotada no Brasil apenas em 1931, marcando o início de um processo que dura até os dias de hoje.

Ortoépia

Alguns dos focos de estudo da ortografia

  • Letra e alfabeto;
  • Notações lexicais (acento agudo, grave e circunflexo, til, trema, apóstrofo, cedilha, hífen);
  • Regras de acentuação;
  • Separação silábica;
  • Ditongos;
  • Emprego das letras inicias maiúsculas;
  • Regras de utilização das letras, como as particularidades por trás do emprego de H, X, Y, Z, CH, SS, G ou J, S ou Z, etc.;
  • Regras de utilização de determinados vocábulos, como “abaixo” ou “a baixo”, “mas” ou “mais”, “onde” ou “aonde”, etc.

Referências utilizadas neste conteúdo:

CUNHA, Celso. Novo gramática do português contemporâneo. 7. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2017.
ROCHA LIMA, Carlos Henrique da. Gramática normativa da língua portuguesa. prefácio de Serafim da Silva Neto. 33. ed. – Rio de Janeiro: José Olympio, 1996.


Alexandre Garcia Peres

Alexandre Garcia Peres

Alexandre Garcia Peres, formado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), gosta de literatura, língua portuguesa e do seu gato.

Conheça Mais Sobre o Autor

Ajude a melhorar ainda mais o site, avalie:

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...

Leave a Reply