Patrística – O que é? Surgimento, Períodos, Agostinho de Hipona e Obras

Patrística é o nome que se dá à filosofia cristã dos três primeiros séculos, pensada e elaborada pelos primeiros teóricos da fé cristã. Essa filosofia consistia na elaboração das doutrinas do Cristianismo e na defesa da fé contra o pensamento pagão e herege. Os primeiros teóricos desse movimento ficaram conhecidos como “pais da igreja’, daí o nome Patrística.

A Patrística foi a responsável por ditar os rumos do Cristianismo e criar sua liturgia, sua disciplina e seus costumes ao longo dos primeiros séculos da doutrina, culminando no que hoje é conhecida como tradição católica.

A Patrística teve em Agostinho de Hipona um dos seus principais representantes.

Surgimento da Patrística

A Filosofia Patrística surgiu em uma época em que o Cristianismo sofreu perseguições e retaliações, e seu pensamento ainda era disperso e não homogêneo. Por conta disso, foi preciso unificar o pensamento cristão como forma de fortalecê-lo.

No início, os debates estavam focados na relação entre Cristianismo e Judaísmo, e no estabelecimento canônico do Velho Testamento. Em pouco tempo, evoluiu para buscar a consistência necessária à fé católica, por meio de doutrinas e dogmas, em um Império Romano prestes a se cristianizar.

Períodos Patrísticos

A patrística divide-se em:

  • Até o ano 200: dedicou-se à defesa do Cristianismo contra seus adversários;
  • Do ano 200 ao 450: surgimento dos primeiros grandes sistemas de filosofia cristã;
  • Do ano 450 ao século VIII: elaboração das doutrinas já formuladas e de cunho original.

Outra forma de divisão da patrística é seguinte:

  • Período ante-niceno: corresponde ao período anterior ao Concílio Ecumênico de Nicéia (324 d.C.), englobando os escritos surgidos entre o século I e início do século IV;
  • Período niceno: compreende os escritos surgidos entre o início e o fim do século IV;
  • Período pós-niceno: corresponde ao período compreendido entre os séculos V e VIII.

O Concílio de Nicéia, realizado em 325, foi muito importante. O objetivo dele era justamente obter um consenso entre as diversas vertentes do Cristianismo, estabelecendo questões como a natureza do messias cristão e sua relação com Deus, de forma a buscar uma padronização do ponto de partida dos trabalhos filosóficos da época.

Agostinho de Hipona

Agostinho de Hipona (354-430) foi teólogo, filósofo e considerado o principal expoente da Patrística. Foi também Bispo de Hipona e canonizado pela Igreja Católica.

Sua história é bem complexa, pois até os 32 anos de idade era resistente ao pensamento cristão, buscando diversas correntes teóricas e escolas filosóficas que dessem um sentido para a sua vida. Após a sua conversão, Agostinho se ordenou e passou a estudar a Teologia baseada na Filosofia e a combater as heresias.

Seus estudos estiveram voltados para o Maniqueísmo (a luta do bem e do mal), bem como para o Neoplatonismo. Também, desenvolveu estudos sobre os conceitos de “pecado original” e do “livre arbítrio” como forma de se livrar do mal. Agostinho buscava a fusão da fé (representada pela Igreja) e da razão (representada pela Filosofia) como forma de buscar a verdade.

Os filósofos patrísticos que vieram após Agostinho tinham à disposição toda uma base teórica bastante estruturada, que permitiu o desenvolvimento do pensamento cristão até o surgimento da Escolástica, séculos depois, que teve como principal expoente São Tomás de Aquino.

Principais obras

A importância da Filosofia Patrística está, sobretudo, no fato de que ela produziu grande parte do pensamento que daria origem a todo um sistema teológico cristão, e parte desse pensamento está contido em diversas obras que permitem ter uma boa compreensão do pensamento religioso cristão ocidental e da formulação de um pensamento racional medieval.

Entre esses materiais, podemos destacar:

  • Enéadas: escrita por Plotino, essa obra totaliza 54 tratados diferentes sobre assuntos diversos, tais como ética, convívio em sociedade e questões psicológicas com uma visão cristã sustentada pela Filosofia Platônica;
  • Isagoge: essa obra de Porfírio busca a Filosofia Grega para introduzir e discutir determinados aspectos da metodologia de Aristóteles, por exemplo, a chamada “Questão dos Universais”;
  • Confissões: nesta obra autobiográfica, Santo Agostinho trata dos momentos de sua vida antes da conversão, em que ele se considerava completamente perdido, e nos momentos de glória que viveu após a conversão ao Cristianismo;
  • Cidade de Deus: outra grande obra de Santo Agostinho que trata das heresias, da divisão entre o mundo terreno e o mundo divino, do Reino de Deus e do comportamento esperado de um cristão para chegar à plenitude da vida.

Referências utilizadas neste conteúdo: Hirschberger, Johannes. História da Filosofia na Idade Média. Herder, 1966.Spinelli, Miguel. Questões Fundamentais da Filosofia Grega. São Paulo. Loyola, 2006.
Bacharel em História pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Deixe seu comentário