Elefante – Características físicas, Comportamento, Habitat, Alimentação e Reprodução

Considerado o maior animal terrestre do mundo, o elefante pertence à família Elphantidae. Esses seres são divididos em dois tipos: os africanos e os asiáticos, sendo que estes últimos ainda são divididos em outras três subespécies. Seus parentes pré-históricos eram os mamutes e os mastodontes, que hoje estão extintos.

Infelizmente, ações humanas têm impactado na sobrevivência de todas as espécies de elefantes, desde o conflito com humanos pelo uso da terra, até a exploração desses animais em trabalho pesado e como atração de turistas. Além disso, a caça pelo marfim tem levado à morte vários indivíduos.

Características físicas do elefante

Elefante afriacano (Loxodonta africana)

O elefante africano é considerado o maior mamífero terrestre do mundo, pois um adulto chega a pesar até 8 toneladas e pode atingir até 4 metros de altura no ombro.

Seu corpo é grande e coberto por uma pele grossa. A pelagem que recobre o seu corpo varia entre o marrom e o cinza. Possui orelhas largas, que servem para dissipar o calor, e uma longa tromba, que pode ser utilizada para beber água, tomar banho, disparar alarmes e coletar objetos, como a comida. E tanto os machos quanto as fêmeas possuem presas.

Elefante asiático (Elephas maximus)

Elefantes asiáticos são muito menores do que os africanos. Pesam cerca de 5,5 mil quilos e atingem 3,5 metros de altura até o ombro. Seu corpo também é coberto por uma pelagem de cor marrom ou acinzentada. Suas orelhas são retas na parte de baixo e alguns machos da espécie possuem presas.

O elefante asiático tem três subespécies: o Indiano (E. maximus indicus), o Sumatra (E. maximus sumatranus) e o Sri Lanka (E. maximus maximus).

Comportamento

Elefantes formam grupos matriarcais bastante complexos, compostos por 2 a 8 indivíduos. Os grupos são compostos de fêmeas e seus filhotes enquanto os machos vivem isoladamente. Alguns formam manadas com até 20 animais.

É comum descansarem durante os períodos mais quentes do dia e, à noite, deitarem no chão para dormir por pouco tempo.

Os elefantes também vocalizam, exibindo dois tipos principais de sons com a tromba: os altos e os baixos.

São animais migratórios. Eles realizam esse comportamento sazonalmente, em função da disponibilidade de comida e água.

Embora não sejam capazes de galopar, essas espécies podem correr a uma velocidade de até 40 km/h. Suas patas são fortes e resistentes para aguentar seu peso.

Habitat

Como é esperado, elefantes africanos vivem na África, e asiáticos na Ásia, nos países Índia, Sri Lanka, Malásia, Indonésia, Tailândia e Vietnã. São encontrados em savanas, campos e florestas, podendo ocorrer também em desertos e pântanos.

Alimentação

São herbívoros. Estima-se que consumam cerca de 100 quilos de comida e 100 litros de água por dia. Essa quantidade faz deles importantes ecologicamente, pois afetam bastante o ambiente em que vivem, principalmente porque vivem em grandes grupos.

Reprodução

Os elefantes africanos atingem a maturidade sexual por volta dos 10 anos, enquanto os asiáticos se tornam maduros aos 14 anos de idade. Nessa idade, os machos abandonam o grupo matriarcal e se juntam a outros machos, enquanto as fêmeas permanecem no grupo a vida toda.

A gestação de um filhote dura cerca de 22 meses, sendo considerada a mais longa entre os mamíferos. A fêmea dá origem a um único filhote a cada 4 ou 5 anos. Quando nascem, pesam cerca de 100 quilos e medem até 1 metro de altura.

Esses animais podem viver até os 60 anos em vida livre e até os 80 em cativeiro.

Curiosidades

Os humanos exploraram (e ainda exploram) os elefantes por muito tempo, embora não sejam considerados domesticados. Eles são utilizados principalmente para o trabalho, por exemplos, para carregar equipamentos pesados, e também para atração de turistas, com muitos deles atuando em circos. Felizmente, essa prática vem sendo combatida com leis de proteção aos animais.

Desde o início do século XXI, estima-se que haja apenas 50 mil elefantes asiáticos em vida livre. Tanto esse quanto o africano estão classificados como ameaçados de extinção pela IUCN (International Union for Conservation of Nature). As principais causas que ameaçam a sobrevivência de sua população são a caça ilegal e a perda de florestas tropicais e savanas.

Entre 1979 e 1989, o número de elefantes africanos foi reduzido para apenas 600 mil indivíduos, menos da metade da população. A principal causa foi a caça para o comércio do marfim, prática essa que foi banida em 1997, e mesmo assim a população de elefantes se recupera aos poucos.

Referências utilizadas neste conteúdo:

https://www.worldwildlife.org/species/elephant

Bruna Manuele Campos

Bacharel e Licenciada em Ciências Biológicas pela USP (2016 e 2018), tem 25 anos e é apaixonada pela natureza e por explorar o mundo. Quando não está se aventurando por aí, gosta de aquietar as pernas com livros e séries.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content