Pronomes Possessivos – O que são? Quais são? Exemplos e Exercícios

Pronomes possessivos, basicamente, são pronomes que, em vez de somente referenciar, indicar ou substituir alguma pessoa gramatical, como os pronomes pessoais, são responsáveis por indicar que a pessoa em pauta é possuidora/proprietária de determinado(s) objeto(s).

O pronome é uma classe de palavra responsável por indicar as pessoas do discurso, ou seja, o indivíduo que fala, o indivíduo com quem se fala ou o indivíduo ou a coisa de que se fala.

São vários os tipos de pronomes: pessoais, demonstrativos, relativos, indefinidos, interrogativos e de tratamento. Neste artigo do Gestão Educacional, você verá tudo a respeito dos pronomes possessivos. Ao final da leitura, estará dominando o assunto! Confira!

O que são pronomes possessivos?

 

Assim como os pronomes pessoais, os pronomes possessivos também fazem menção às pessoas do discurso, mas de uma maneira diferente: eles apresentam as pessoas do discurso como possuidoras de alguma coisa.

Sentenças com pronomes possessivos estabelecem, portanto, uma relação entre aquele que possuí e a coisa possuída por ele.

Veja a comparação:

(1) Ela andou sobre a calçada.

(2) Essa bolsa é tua.

Enquanto em (1) temos um exemplo de pronome pessoal, com o pronome do caso reto “ela” indicando a pessoa de quem o orador está falando, ou seja, a terceira pessoa do singular, em (2), o pronome sublinhado é um pronome possessivo, indicando quem é o proprietário da bolsa, ou seja, a quem ela pertence. Nesse caso, o pronome “tua” dá a entender que pertence à segunda pessoa do singular, ou seja, à pessoa com quem o orador está falando.

Os pronomes possessivos, portanto, são usados quando se faz referência a alguma pessoa do discurso, mas colocando-a como possuidora/dona de alguma(s) coisa(s). O pronome possessivo, ao se relacionar com o substantivo, exerce a função de adjetivo, modificando-o/determinando-o.

Por “pessoa do discurso”, compreende-se as seguintes:

  • 1ª pessoa do singular (eu) e do plural (nós), indicando aquele(s) que fala(m);
  • 2ª pessoa do singular (tu) e do plural (vós), indicando aquele(s) com quem se fala;
  • 3ª pessoa do singular (ele/ela) e do plural (eles/elas), indicando aqueles de quem se fala.

Convém mencionar que o gramático Rocha Lima (1996, p. 112-113) defende que os pronomes possessivos são da mesma “família” dos pronomes pessoais, uma vez que suas significações giram em torno das pessoas do discurso.

Quais são os pronomes possessivos?

Confira, abaixo, uma tabela com os pronomes possessivos da língua portuguesa.Pronomes possessivosCabe mencionar que a forma do pronome possessivo varia de acordo com o número de pessoas possuidoras e o número de objetos possuídos.

Isso acontece porque o pronome possessivo concorda em gênero e número com o substantivo que indica o objeto possuído e em pessoa com o sujeito possuidor do objeto. Pode parecer um pouco confuso, mas, com a ajuda dos exemplos abaixo, você certamente entenderá:

  • Uma pessoa possuidora e apenas um objeto possuído:
    • O meu carro quebrou e agora está no conserto. (1 pessoa e 1 carro);
    • Em que localidade tu compraste teu apartamento? (1 pessoa e 1 cabelo);
    • Lá vai o Antônio… como sua história é bonita! (1 pessoa e 1 história).
  • Várias pessoas possuidoras e apenas um objeto possuído:
    • O nosso carro quebrou e agora está no conserto. (2 pessoas ou mais e 1 carro);
    • Em que localidade vós comprastes vosso apartamento? (2 pessoas ou mais e 1 apartamento);
    • Lá vai o Antônio e a Eugênia… como sua história é bonita! (2 pessoas ou mais e 1 história).
  • Uma pessoa possuidora e vários objetos possuídos:
    • Os meus carros quebraram e agora estão no conserto. (1 pessoa e 2 ou mais carros);
    • Em que localidade tu compraste teus apartamentos? (1 pessoa e 2 ou mais apartamentos);
    • Lá vai o Antônio… como suas histórias são bonitas! (1 pessoa e 2 ou mais histórias).
  • Várias pessoas possuidoras e vários objetos possuídos:
    • Os nossos carros quebraram e agora estão no conserto. (2 ou mais pessoas e 2 ou mais carros);
    • Em que localidade vós comprastes vossos apartamentos? (2 ou mais pessoas e 2 ou mais apartamentos);
    • Lá vai o Antônio e a Eugênia… como suas histórias são bonitas! (2 pessoas e 2 ou mais histórias).

Em todos os exemplos, há duas ou mais pessoas e dois ou mais objetos. Nesse caso, o pronome não só vai para a forma plural, como também recebe a desinência -s. Ele concorda, portanto, tanto com o número de pessoas quanto com o número de objetos.

Posição dos pronomes possessivos na sentença

Geralmente, o pronome possessivo antecede o substantivo ao qual determina, como nos exemplos anteriores e como no exemplo abaixo:

(3) A minha blusa é verde e listrada.

Neste exemplo, perceba que o pronome possessivo antecedeu o substantivo ao qual modifica (blusa), ou seja, veio primeiro.

Há, porém, alguns casos em que ele pode aparecer posposto ao substantivo, ou seja, depois dele. Confira quais são esses contextos:

1) Quando ele não é acompanhado por um artigo definido:

    1. Aguardei cartas tuas durante todos estes anos.

2) Quando o substantivo em questão já está determinado por: a) artigo indefinido; b) numeral; c) pronome demonstrativo; d) pronome indefinido. Confira os exemplos, respectivamente:

    1. Ana, Ana! Eu adoraria ter um beijo seu…;
    2. Trouxe-me seus livros e suas anotações?;
    3. Durante todo este tempo, eu recebi apenas uma carta tua;
    4. Ele detesta essa mania minha de esquecer as coisas;
    5. Eles nunca receberão nenhuma notícia nossa.

3) Quando o pronome é usado em interrogações diretas:

    1. Você se esqueceu de mim ou é impressão minha?

4) Quando se quer enfatizar:

    1. Ai, quanta tristeza, Deus meu!

Celso Cunha e Lindley Cintra (2017, p. 335) observam que, por razões estilísticas, ou seja, por vontade do autor, pode haver variação no posicionamento do pronome possessivo, como no exemplo (dos próprios gramáticos):

(4) “És meu único desejo/Ah! fosse o desejo teu!” (GUIMARÃES PASSOS apud CELSO CUNHA).

Exemplos de uso dos pronomes possessivos

“Nem deixarão meus versos esquecidos

Aqueles que nos Reinos lá da Aurora

Se fizeram por armas tão subidos,

Vossa Bandeira sempre vencedora” (CAMÕES, L. de., 2012, p.21).

 

“Qual em cabelo: — Ó doce e amado esposo,

Sem quem não quis Amor que viver possa,

Por que is aventurar ao mar iroso

Essa vida que é minha e não vossa?

Como, por um caminho duvidoso,

Vos esquece a afeição tão doce nossa?

Nosso amor, nosso vão contentamento,

Quereis que com as velas leve o vento?” (CAMÕES, L. de., 2012, p. 127).

Exercícios

1. Sublinhe os pronomes possessivos nos trechos abaixo.

a) “— É a tua pena, alma curiosa de perfeição; a tua pena é oscilar por toda a eternidade entre dois astros incompletos, ao som desta velha sonata do absoluto: lá, lá, lá…” (ASSIS, M. de., 2011, p. 292).

b) “[…] — Que perdemos com isso? Nada, ou ela nos põe na rua, e já podemos esperá-lo, ou aceita um de nós, e tanto melhor para o outro que verá o seu amigo feliz. [..] E dizia-me: — Escuta, nem divinizar o dinheiro, nem também bani-lo; não vamos crer que ele dá tudo, mas reconheçamos que dá alguma coisa e até muita cousa, — este relógio, por exemplo. Combatamos pela nossa Quintília, minha ou tua, mas provavelmente minha, porque sou mais bonito que tu” (ASSIS, M. de., 2011, p. 303).

RESPOSTAS

a) “— É a tua pena, alma curiosa de perfeição; a tua pena é oscilar por toda a eternidade entre dois astros incompletos, ao som desta velha sonata do absoluto: lá, lá, lá…” (ASSIS, M. de., 2011, p. 292).

b) “[…] — Que perdemos com isso? Nada, ou ela nos põe na rua, e já podemos esperá-lo, ou aceita um de nós, e tanto melhor para o outro que verá o seu amigo feliz. [..] E dizia-me: — Escuta, nem divinizar o dinheiro, nem também bani-lo; não vamos crer que ele dá tudo, mas reconheçamos que dá alguma coisa e até muita cousa, — este relógio, por exemplo. Combatamos pela nossa Quintília, minha ou tua, mas provavelmente minha, porque sou mais bonito que tu” (ASSIS, M. de., 2011, p. 303).

Alexandre Garcia Peres

Alexandre Garcia Peres, formado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), gosta de arte, literatura, língua portuguesa, poesia e do seu gato.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content