Tamanduá-bandeira – Características, Comportamento, Habitat, Alimentação, Reprodução

O Tamanduá-Bandeira é um mamífero símbolo brasileiro, mas pode ser encontrado em outros países da América. O nome bandeira se dá pelo fato de a cauda apresentar aspecto de bandeira.

Seu nome cientifico é Myrmecophaga tridactyla, popularmente conhecido como: tamanduá-cavalo, tamanduá-açu, papa-formigas-gigante, urso-formigueiro-gigante, além de alguns nomes indígenas, tais como iurumi e jurumim (significa boca pequena).

O tamanduá-bandeira é o maior das espécies de Tamanduás no Brasil, muito exótico, com grande risco de extinção no país.

Ele é um símbolo brasileiro e tem funções ecológicas importantíssimas, entre elas, a adubação da terra.

Tamanduá-bandeira

Características físicas

Por ser uma espécie muito exótica e peculiar, possui características bem distintas, entre elas se destacam: pelos longos distribuídos por todo o corpo, cauda grande, focinho cilíndrico e fino. Sua coloração se destaca entre marrom e cinza, mas uma característica exclusiva da espécie é uma faixa branca e preta pelo corpo todo.

O tamanduá-bandeira é um animal grande, podendo chegar entre 30 a 50kg. Seu tamanho pode atingir até um metro e meio (como há variações entre caudas, esse valor não considera a cauda, que pode chegar a mais de um metro) e sua altura também é considerável, podendo chegar a até 70cm.

Apesar de ser um animal vagaroso, é portador de enormes garras que auxiliam na sua defesa. As garras também ajudam o tamanduá a abrir formigueiros para se alimentar. Outro destaque do corpo desses animais é a presença de um olfato muito apurado.

Baseado em critérios de evolução e classificação, os mamíferos são portadores de diferentes dentes (cada um com funções especificas, chamados de heterodontes). Entretanto, o tamanduá-bandeira é classificado como Edentados (animais desprovidos de dentes). Sua boca não é desenvolvida e sim muito pequena, com língua grande e mucosa, o que facilita a prender e “grudar” as presas.

Tamanduá-bandeira

Comportamento

O comportamento do tamanduá-bandeira pode variar, devido à temperatura ou até mesmo ao índice de chuva. Ou seja, podem ter o hábito noturno ou até mesmo diurno, dependendo do clima do seu habitat.

Na fase adulta, são animais solitários.

Como dito anteriormente, são animais lentos, o que facilita a ameaça de extinção. São animais andarilhos, não marcam território, podem caminhar por quilômetros em busca de alimento.

Apesar de não ser comum, conseguem subir em árvores para fugir de possíveis predadores.

A vida média de um tamanduá-bandeira é de 25 anos.

Habitat

O habitat mais comum do tamanduá-bandeira são os grandes campos e florestas do tipo tropicais. Podem ser encontrados na América do Sul e na América Central. Particularmente no Brasil, podem ser encontrados em diversos biomas, tais como: Amazônia, Mata Atlântica, Pantanal, Caatinga, Cerrado e até nos grandes campos sulinos.

Alimentação

Tamanduá-bandeira

Basicamente, a alimentação do tamanduá-bandeira é baseada em pequenos insetos, preferencialmente os sociais, pois estes são encontrados em grande número de uma única vez.

Os alimentos preferidos são: formigas, cupins, vermes, centopeias, vespas, lagartas, entre outros.

Como dito anteriormente, como o tamanduá-bandeira é um animal edentado, ou seja, não possui dentes, ele engole todas as suas presas sem mastigar. Cabe acrescentar que, mesmo formigas e cupins vivendo em locais escondidos e protegidos (formigueiro e cupinzeiro), os tamanduás conseguem alcançar suas presas utilizando suas poderosas garras e sua língua comprida e pegajosas.

Reprodução

A idade sexual dos tamanduás é rápida, podendo ficar sexualmente ativos com três anos de idade. A fêmea gera um filhote por vez e a gestação dura aproximadamente 1 ano.

A amamentação é longa, podendo chegar de 6 a 10 meses. Curiosamente, os filhotes ficam presos à mãe (dorso) durante um bom período de tempo, até aprenderem a comer sozinhos.

Curiosidades

  • A clássica expressão “abraço de tamanduá” está relacionada com a maneira que ele ataca seus adversários. Apesar do jeito dócil, o tamanduá prende suas enormes garras nas costas do possível predador;
  • Curiosamente, um único tamanduá-bandeira pode comer cerca de 35 mil insetos em um dia;
  • Infelizmente, a espécie vem sofrendo muito nas últimas décadas com a perda de seu habitat. A principal causa é o desmatamento decorrente da expansão das atividades de pecuária, agricultura e indústrias.

Leandro Márcio

Sou Leandro Márcio, biólogo desde 2006, mestre em Toxinologia (estudo de veneno de serpentes) pelo Instituto Butantan. Sou professor universitário e, quando não estou dando aula na faculdade ou estudando serpentes, adoro um bom tempo com um livro de ficção.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content