História Contemporânea – O que é? Principais eventos do Século XIX ao XXI

História Contemporânea é o ramo dentro da História que estuda o período localizado entre o fim da Idade Moderna, normalmente marcado pela Revolução Francesa (1789), até os dias de hoje.

Tem sido um período marcado por grandes transformações, que acontecem em uma velocidade cada vez maior, uma vez que o avanço tecnológico propicia uma diminuição no espaço e no tempo onde os fatos se dão.

Em um mundo cada vez mais dinâmico, são muitos os fatos de importância desse período. Confira, a seguir, mais informações sobre esse momento da história do mundo, só aqui, no Gestão Educacional!

Século XIX

Revolução Industrial

A Revolução Industrial, iniciada ainda na Idade Moderna, atinge seu auge entre 1830 e 1840. Trata-se de um processo gradual de transformação nos métodos de produção, que deixam de ser artesanais, para se tornarem mecanizados, aumentando a eficiência e produção.

O surgimento de novas tecnologias e o avanço nos transportes, tais como navios a vapor e ferrovias, impulsionaram o comércio e a economia, consolidando o Capitalismo como principal modelo econômico.

Marxismo

Karl Marx e Friedrich Engels, dois filósofos alemães, criaram e desenvolveram, ao longo de suas vidas, um conjunto de ideias e teorias que ficaram conhecidas como Marxismo. Essas teorias versavam sobre diversos temas, tais como sociedade, filosofia, economia e política, e, sobretudo, tratavam de duas teorias que seriam amplamente discutidas: o Socialismo e o Comunismo.

A Revolução Russa de 1917, que implementou um governo socialista baseado nas ideias do Marxismo, ajudou a popularizar o pensamento de Marx e Engels, abrindo as portas para o surgimento de um grande antagonismo entre socialismo russo e o capitalismo norte-americano ao longo do século XX.

Independência do Continente Americano e Partilha da África

A independência norte-americana, conquistada em 1775, abriu as portas para uma série de movimentos em países que buscavam a independência das metrópoles. Por outro lado, à medida que as potências europeias perderam poder nas colônias do continente americano, se voltavam para o outro lado do Atlântico, onde a partilha do continente africano estava começando.

O Brasil se tornou independente de Portugal em 1822. Já a Espanha perderia quase todas as suas possessões em um espaço de aproximadamente 25 anos. Esses dois países conseguiram manter ou conquistar novas posses na África, mas perderam o protagonismo que haviam adquirido durante o período das Grandes Navegações, perdendo espaço, sobretudo, para franceses e ingleses que, além da África, expandiram sua influência também pela Ásia.

Século XX

As Grandes Guerras

A primeira metade do século XX foi marcada por dois grandes conflitos, que mostraram ao mundo os horrores da guerra moderna. A Primeira Guerra Mundial, ocorrida entre 1914 e 1918, teve como fator principal o fim do frágil equilíbrio de poder conquistado no continente após a Guerra Franco-Prussiana, que opôs a França e o recém unificado Império Alemão.

As desconfianças e rivalidades de séculos entre as nações europeias, aliadas às disputas econômicas resultantes da exploração da África, elevaram as tensões ao nível máximo, tendo como estopim definitivo o assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando, do Império Austro-Húngaro.

O conflito, que a princípio opôs Inglaterra, Rússia (até 1917), França e Estados Unidos (a partir de 1917), contra o Império Alemão e o Império Austro-húngaro, alargou-se com a participação de outros países. A guerra resultou em mais de 20 milhões de mortos, o fim dos impérios alemães, austríacos e otomano e uma nova configuração do mapa geopolítico europeu. E mais, não só não resolveu as rivalidades, como criou outras, que serviram como base para um conflito ainda maior e mais sangrento: a Segunda Guerra Mundial.

A Guerra Fria

Após o fim da Segunda Guerra, em 1945, duas superpotências emergem do conflito, defendendo visões de mundo opostas: os Estados Unidos Capitalista e a União Soviética Socialista. Mais do que visões opostas, havia uma disputa militar e tecnológica entre os dois países, que buscavam expandir suas zonas de influência. Enquanto os Estados Unidos tinham a supremacia no Ocidente, os soviéticos a tinham no oriente, sobretudo no leste europeu, com a chamada Cortina de Ferro.

O conflito entre as duas superpotências nunca aconteceu de fato (daí o nome Guerra Fria), mas, nos bastidores, americanos e soviéticos atuaram tanto na Guerra da Coreia (1951-1953), quanto no Vietnã (1962-1975).

A Guerra Fria só terminou em 1989, com a Queda do Muro de Berlim e o fim do regime Socialista soviético, que resultou na independência das ex-repúblicas soviéticas.

Século XXI

Atualmente, vivemos em uma sociedade marcada pela globalização, revolução digital e forte economia. No entanto, essa mesma sociedade ainda convive com a fome, violência e tantos outros problemas. 

Fatos como o 11 de Setembro e a crise imigratória do Oriente Médio para a Europa mostram que todo o avanço obtido pela humanidade ainda não foi capaz de tornar o mundo um lugar mais justo e pacífico. Esse talvez seja o grande desafio da contemporaneidade.

Referências utilizadas neste conteúdo: Burns, Edward Mcnall. História da Civilização Ocidental, Vol I. Editora Globo. 1969.Hobsbawn, Eric J. A Era dos Extremos. Paz e Terra. 2012.Hunt, E. K.. História do pensamento econômico. Campus. 1989.
Bacharel em História pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Deixe seu comentário